Recorte Lírico

Tirando a literatura dos corredores acadêmicos

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Paralimpíada ou Paraolimpíada? O professor Sérgio de Carvalho Pachá explica.

15 de setembro de 2016

Categorias:Artigo de Opinião Tags:,

Imagem: (Comitê Internacional Paraolímpico/Reprodução)

É certo o grande sucesso que as Olimpíadas atingiram nessa edição no Rio de Janeiro, e, para o comitê brasileiro, as Paraolimpíadas estão conseguindo ainda maior repercussão, devido à quebra de recordes de medalhas. Mas um fato tem protagonizado nas manchetes dos principais jornais do país, qual a grafia correta: Paralimpíada ou Paraolimpíada? O Comitê Internacional Olímpico tem recomendado “Paralimpíada” por motivo de padronização entre os países de língua portuguesa. A TV Globo, por exemplo, tem seguido a recomendação, porém a Folha segue “relutante ao erro”. Para tentar esclarecer, o professor de Língua Portuguesa Sérgio de Carvalho Pachá divulgou sua opinião a cerca do tema, e o blog Recorte Lírico, por comungar com sua opinião, compartilha para os seus leitores ficarem ainda mais esclarecidos.

PARALÍMPÍADA OU PAROLIMPÍADA?
Já dIziam os Antigos que a salvação está no distinguir — IN DISTINCTIONE SALVS. Distingamos, pois.
Numa palavra como HIDRELÉTRICO, por exemplo, suprime-se uma vogal átona do prefixo HIDR(O)-, sem que o radical do mesmo, vale dizer, o núcleo significativo, fique desfigurado. E tanto isto é verdade, que o próprio dicionário HOUAISS acertadamente grafa o prefixo como eu o grafei acima, com a vogal O da última sílaba entre parênteses, para simbolizar visualmente a sua caducidade, vale dizer, a sua possibilidade de cair, ao combinar-se o prefixo com o radical do elemento que se lhe segue, como em HIDRELÉTRICO.
Tal não é o caso, porém, em PARALIMPÍADA, visto que o O suprimido não pertence à terminação do prefixo, como no exemplo acima, mas ao núcleo significante do vocábulo que se lhe segue, OLIMPÍADA, promovendo-se com isto uma amputação não apenas de um som — a vogal O — mas também do significado do substantivo a que se adjunge o prefixo, visto que LIMPÍADA nada significa em português.
Eis a razão por que faz inteiro sentido afirmar que o vocábulo PARALIMPÍADA é um aleijão léxico e semântico, inadmissível por carecer inteiramente de sentido. O bom português, o português de lei, exige PAROLIMPÍADA.

Professor Sérgio de Carvalho Pachá

Da Redação