Recorte Lírico

Tirando a literatura dos corredores acadêmicos

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Como esconder o clichê na hora de escrever

26 de maio de 2017

Categorias:Artigo de Opinião Tags:,

Quem gosta de escrever (profissionalmente ou não), já deve ter parado em algum momento do processo de escrita de um romance e pensado “será que isso é clichê?”. Algumas pessoas se perguntam, porque realmente querem seguir o clichê, mas outras querem evitá-lo. Como leitora (e escritora), não apoio nem um, nem outro, mas acredito que pode-se usar a técnica da escrita para esconder possíveis clichês e não vomitá-los na cara dos leitores. Como muitas pessoas dizem: “tudo o que é feito escondido, é muito melhor”.
Eu participo de um grupo no Facebook chamado “Sociedade Secreta dos Escritores Vivos” (link do grupo) e, certa vez, me deparei com essa imagem que haviam postado lá:
Imagem: Facebook/Reprodução
Se formos parar para pensar, de fato, já lemos muitos livros que seguem quase a mesma ideia proposta. Primeiro, criamos empatia com o protagonista, depois surge alguma aventura, o protagonista quer desistir, mas persiste. Em seguida, você fica angustiado pela dificuldade do protagonista em atingir seu objetivo e, por fim, quando ele finalmente consegue o que queria, a história acaba. Final feliz (ou triste, dependendo do romance).
Há um vídeo extremamente interessante no YouTube intitulado como “What makes a hero?”, no qual o narrador explica o que é que os heróis de Harry Potter, Jogos Vorazes e O Senhor dos Anéis tem em comum.
Esse vídeo explica exatamente como funciona o ciclo da jornada de um herói da ficção e ressalta, sobretudo, o clichê por trás dos três em questão, como todos seguem a mesma jornada, o mesmo ciclo.
Não que nós, leitores, não gostemos desses ciclos, porque se o herói, os outros personagens e o enredo forem cativantes, nós vamos ler com brilho nos olhos! Mas para os que escrevem e querem, talvez, fugir um pouco desse ciclo que se impregnou na literatura e inovar, um pouco de estudo é necessário.
Henry Bugalho — escritor, tradutor, editor e nômade curitibano, formado em Filosofia, com ênfase em Estética, especialista em Literatura e História — postou em seu canal do YouTube, que dá dicas de escrita, sobre quais são os 7 passos para se tornar um escritor, sendo o segundo passo o que mais nos interessa para o assunto desse post, que é o passo de estudar a escrita, na qual ele cita que você pode/deve usar técnicas de escrita, como a estrutura do romance analisada anteriormente, desde que você domine a escrita o suficiente para esconder essas técnicas e estruturas prontas.
Portanto, se você quer esconder o clichê e quer produzir algo aparentemente diferente, inusitado e inovador, estude a arte da escrita para dominá-la, pois assim você será capaz de esconder o ingrediente principal do bolo e nenhum paladar de leitor perceberá.