Recorte Lírico

Tirando a literatura dos corredores acadêmicos

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

50 livros fundamentais, de acordo com Lev Tolstói

15 de setembro de 2017

Categorias:Listas Tags:, ,

50 livros fundamentais, de acordo com Lev Tolstói

A pedido de uma editora russa, Lev Tolstói listou em 1891, aos 63 anos, os livros que mais o influenciaram. O autor já havia publicado à época grande parte de suas obras primas: “Os Cossacos” (1863), “Guerra e Paz” (1865-1869), e “Anna Kariênina” (1875-1878) — livros que o fizeram conhecido como um dos escritores russos mais importantes de todos os tempos.

No total, Tolstói selecionou 50 livros, divididos de acordo com cinco períodos da vida, que contemplam faixas etárias da infância à velhice. Os títulos que o autor considera fundamentais são bastante diversos, estendendo-se além do campo literário. Apesar disso, clássicos da literatura mundial são uma representação de peso, com destaque para “As Mil e uma Noites”; “A Ilíada”, de Homero; e “Os Miseráveis”, de Victor Hugo.

A influência religiosa — que o autor explicita em seu livro “Confissão”, de 1882 —, e também a filosófica, não foi deixada de lado. Tolstói indica capítulos do livro de “Gênesis” e o “Evangelho de São Mateus”, da Bíblia Sagrada Cristã, e o livro doutrinal chinês “Analectos”, de Confúcio. Assim como também sublinha as grandes produções filosóficas: “O Banquete” e “Fédon”, de Platão.

Nascido em 1828, em uma propriedade rural da Rússia, Lev Tolstói ingressou na Universidade de Kazan, em 1845, para estudar Línguas Orientais. No entanto, ele abandonou os estudos. Em 1851, ingressou no exército russo, quando decidiu dar início à carreira de escritor. Nos anos seguintes publicou seus primeiros livros: “Infância” (1852), “Adolescência” (1854) e “Juventude” (1857).

Após o período de serviço militar, o autor retorna às terras de sua família, onde se casa em 1862. Publicando obras importantes, ele começa a receber reconhecimento, e é consagrado como um escritor de renome mundial. Contudo, em 1882, no auge de seu sucesso, Tolstói passa por crises existenciais, que culminam na publicação de “Confissão”, na qual admite a sua postura religiosa.

Mesmo assim, ele continua a se dedicar à literatura, e publica novas obras-primas, como “A Morte de Ivan Ilitch” (1886), “A Sonata a Kreutzer” (1891) e “Khadji-Murát” (1905).

 

As Mil e uma Noites
Poemas, de Aleksandr Púchkin
The Little Black Hen, de Antoni Pogorelski
José do Egito e a Jornada do Herói (Livro de Gênesis capítulo 37 ao 50)
Bylina, de Dobrynya Nikitich, Ilya Muromets e Alyosha Popovich

 

 

Por: Jéssica Chiareli, da Revista Bula.

Da Redação