Recorte Lírico

Tirando a literatura dos corredores acadêmicos

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Made in China – Gráficas chinesas são opções mais baratas para o mercado editorial brasileiro

8 de setembro de 2017

Categorias:Artigo de Opinião Tags:, , ,

Made in China - Gráficas chinesas são opções mais baratas para o mercado editorial brasileiro

Você sabia que todos os anos toneladas de livros impressos na China desembarcam no Brasil? Com o comércio Chinês expandindo cada vez mais em todas as áreas, logicamente o mercado gráfico não ficaria de fora.

De acordo com uma matéria publicada no site O Globo, dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o Brasil importou da China 13,5 mil toneladas de livros em 2012. Foram aproximadamente 2 mil toneladas a mais do que em 2011. O total de 2012 supera em quatro vezes o volume de livros que veio da Europa, região que ocupa o segundo lugar no ranking das importações de livro.

Segundo Aline Valle, gerente de produção gráfica da Cosac, a produção de livros na China garante um preço mais baixo também para os consumidores:

“— A gente optou por imprimir alguns livros na China porque, em vários casos, aqui no Brasil, eles seriam completamente inviáveis. É o que ocorre com Linha do tempo do design gráfico do Brasil. Se tivesse sido impressa aqui, a edição custaria R$ 400” (a obra custa em torno de R$ 200 no site da editora).

O maior problema em imprimir livros na China, são os prazos, pois as entregas vêm de navio e podem levar até 120 dias para chegar ao território brasileiro. Ainda assim, nessa matéria, o editor da editora George Ermakoff conta que paga de R$ 0,40 a R$ 1 pelo frete de cada livro.

Analisando todas as informações, é possível observar que, de fato, as gráficas chinesas são uma opção muito mais viável para as editoras brasileiras: Os livros saem muito mais baratos (imagino que dependendo da demanda, devem custar centavos), o frete é muito mais barato e eles vão poder cobrar muito mais do consumidor. Por exemplo, eles pagam 0,40 centavos em um livro e vendem aqui por R$ 19,90 (ou mais).

É uma jogada simples que acaba afetando o mercado gráfico brasileiro, mas tudo isso são consequências dos nossos altíssimos impostos. Os materiais para a impressão são muito mais caros aqui, o que implica em um produto consequentemente mais caro. Com o problema dos prazos chineses, as editoras não podem contar com o outro lado do mundo para a produção de livros que precisam ser repostos mais rapidamente, como é o caso dos best-sellers.

Pois é, se você achou que só as suas roupas e os seus eletrônicos vinham da China, estava enganado.

O mundo é made in China.

 

Fonte: https://oglobo.globo.com/cultura/com-precos-ate-50-menores-do-que-no-brasil-graficas-chinesas-seduzem-editoras-nacionais-8444947#ixzz4rnkNFf3o
stest