Recorte Lírico

Tirando a literatura dos corredores acadêmicos

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Catálogo de espantos

1 de setembro de 2017

Categorias:Artigo de Opinião Tags:

Catálogo de espantos

I – A CASA

 

Amor: acordo íntimo e tácito permeado de gestos e sentido.

 

*

 

Não há greve para quem edifica a própria casa.

 

*

 

A economia do lar é uma forma administrativa de amor. A boa cozinheira fisga corações pelo estômago.

 

*

 

Nada mais totalitário do que valorizar mais a disputa de empregos do que a economia doméstica. Quem não governa a própria cozinha não vai saber governar um país.

 

*

 

Quando o teto desaba, não há tempo para debater burocracia ideológica.

 

*

 

Na mesa da miséria, ninguém quer dividir a conta.

 

*

 

Sinais de madureza: o súbito interesse em bingo e bocha.

 

 

II – A POLÍTICA

 

Critério de contas para a alfabetização política: o analfabetismo funcional.

 

*

 

O legalismo corpóreo é a mais deliberada objetificação. O amado ama a mulher corporificada, não um corpo de regras burocráticas.

 

*

 

Muitos políticos e pouca poesia os males do Brasil são.

 

*

 

Diferença entre censura e totalitarismo: a censura diz o que não se pode dizer; o totalitarismo o que se deve dizer.

 

*

 

Brasilidade: uma barbárie sentimental.

 

*

 

O brasileiro é, antes de tudo, um burocrático.

 

*

 

O brasileiro é aquele cego da anedota. Ao confundir o estampido de espoletas com estrelas, ele está sempre a apontar no céu uma esperança fátua.

 

*

 

O congresso brasileiro tem a organização de uma sala de alunos repetentes.

 

*

 

No Brasil, o estágio para os partidos políticos é a torcida organizada.

 

*

 

Jamais dê crédito aos cretinos.

 

*

 

Ouço a mídia a sibilar como quem dorme num moinho ouvindo do lado de fora a incômoda moenda.

 

*

 

Na cultura de massa, o artista se apresenta como arte. Na alta cultura, para revelar a arte, o artista se oculta.

 

*

 

Cidadania não consiste em reclamar direitos, mas em assumir obrigações.

 

*

 

A Ignorância outorga a seus seguidores o poder de opinar sobre tudo sem saber de nada.

 

*

 

A defesa exacerbada da democracia só deseja pleitear escrúpulos.

 

*

 

Na militância política, quem doa prenda não é quem canta a pedra.

 

*

 

Os burocratas de conceitos estrangulam a letra até que ela confesse o indefensável.

 

*

 

A medida do burguês – o automóvel popular.

 

*

 

A medida do filisteu – o preço do vinho.

 

 

III – ESTÉTICA

 

A poesia é uma arte que exige contemplação e sensibilidade. Mas nosso tempo é cruel e sentimental – é uma esfinge que chora.

 

*

 

A ideologia é o bordão usado para tanger o rebanho. A poesia é o canto de júbilo ou de angústia de quem sabe o gosto do amor e da morte.

 

*

 

O palco do debate público é o espetáculo das sombras, cenário de mentira e engodo (ideologia). É o lugar onde se celebra a escravidão das paixões como liberdade. O poeta, no entanto, não reduz a caverna de Platão a uma gaiola ideológica de libertadores e manipulados; descerra o cárcere do ser.

 

*

 

A sátira amoral causa graça, mas não fere. Domesticada, a enrolar-se no ventre da conveniência, é uma serpente sem veneno.

 

*

 

Tautologia necessária: Não há poesia sem o Homem, nem o Homem sem poesia.

 

*

 

Na antiguidade vinho e poesia eram elementos essenciais da sociedade: o vinho trazia o esquecimento; a poesia a memória.

 

*

A poesia testemunha o milagre do espírito a espelhar a carne animada e o coração do mundo.

 

*

 

No quadro geral de arquétipos, o poeta está entre o rei e o mendigo, o sábio e o louco.

 

*

 

A importância do Concretismo para a poesia brasileira está sobretudo nas traduções. Os concretistas foram os únicos que conseguiram traduzir para o vernáculo a poesia de Sousândrade.

 

*

 

Sem a poesia, os poemas são como a casca seca de uma cigarra: dissipado o canto do espírito, remanesce o silêncio.

 

*

 

As personagens shakespearianas têm mais humanidade do que muita gente de carne e osso.

 

*

 

Confisco intelectual: À medida que o encanto se apaga, os livros restam como documentos.

 

*

 

Na escrita, o estilo é o cuspo do engraxate.

 

 

IV – O MUNDO

 

 

O poder da beleza? Uma criança armada com um revólver.

 

*

 

Cavalgada de desejos: as rédeas sociais.

 

*

 

Festas: a cidade dos homens está morta. Fastos: a cidade da morte, cheia de homens.

 

*

 

Homem: um ensaio provisório a ser levado para a gaveta.

 

*

 

Como quem resgata um corpo nos escombros, ela vasculha o terreno do rosto, entre perdas capilares e a erosão das rugas, os vestígios de vida.

 

*

 

Espoliando o eterno do rosto humano, resta um corpo burocrático, cadáver de regras, pássaro empalhado com estatísticas.

 

*

 

O prazer é mel guardado por asas e ferrões.

 

*

 

A moral erótica é como a moral da caça: só se deve matar o que se pretende comer.

 

*

 

Espírito: a doçura da uva acentua a acidez do vinho.

 

*

 

O anseio é a tortura da véspera.

 

*

 

A guia da opinião? A polêmica.

 

*

 

A profundidade do pensamento? O óbvio.

 

*

 

A matéria de um aforismo? Diatribes, diabretes, dribles, blefes…

 

*

 

O pensamento é um processo de compostagem.

 

*

 

O niilismo é a prisão da consciência. Com o entorpecimento dos sentidos, a capacidade para a compaixão é aniquilada. Como uma maçã, deteriora-se a nossa alma. É a doença moderna que nos impele a uma busca incessante, levando-nos ao suicídio ou à loucura.

 

*

A humildade é o altar do sublime.

*

 

Quem não ama para servir não serve para amar.

 

*

 

Um supremo anseio? O átimo de treva que antecede a aurora.

 

*

 

Os cemitérios modernos são como praças de alimentação. Felizes são os mortos: em silêncio, escarnecem de nosso ridículo.

 

*

 

Melancolia: na gleba obscura, uma botelha fermenta o espírito em vinagre.

 

*

 

Como quem lustra o cobre que se cobrirá com a lepra do azinhavre, em vão me ponho a polir a melancolia.

 

*

 

Nem o sol salva a manhã quando o que se tem para mascar são abelhas azedas.

 

*

 

Dei minha vida ao blefe e aos livros, enquanto ela guardava no coração a inconstância da chuva. Eu, um operário da precário; ela, a mercadora do diabo.

 

*

 

A virtude, em Sodoma e Gomorra, é maldizer a virtude.

 

*

 

Máscara: no carnaval, nada mais obsceno que o rubro pudor de um rosto nu.

 

*

 

Livre da mortalha, limpo das úlceras da lepra, Lázaro ainda há que abandonar a sua íntima vocação à indigência.

 

*

 

A Ignorância outorga a seus seguidores o poder de opinar sobre tudo sem saber de nada.

 

*

 

Quanto mais raso o espírito, mais ele se afoga em si mesmo.

 

*

 

Não se pode terceirizar a caridade.

 

***