Recorte Lírico

Tirando a literatura dos corredores acadêmicos

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Room 104 é uma aula de roteiro

27 de outubro de 2017

Categorias:Crítica Tags:,

Room 104 é uma aula de roteiro 1

“Room 104” é mais uma aposta da HBO que deu certo. Depois dos bilhões de dólares gastos em grandes séries como “Game of Thrones” e “Westworld”, o canal acertou a mão com a série, mesmo investindo muito pouco, em comparação com as já citadas.

Escrita e dirigida pelos irmãos Jay e Mark Duplass, a série se passa em um quarto de hotel, o Room 104, de alguma cidade dos Estados Unidos da América. Doze episódios contando histórias distintas, quem permanece imponente durante toda a temporada é o quarto de hotel, que é praticamente um personagem, talvez até o principal.

Do primeiro episódio contando uma história de terror, passando por um episódio de dança, no sexto capítulo, até chegar a um drama romântico no derradeiro episódio. A série mistura gêneros do cinema com certo louvor.

Mas, sem dúvida alguma, o diferencial da obra dos irmãos Duplass e o que os fez atingir o sucesso com a série é o roteiro. Explorar um único espaço e surpreender positivamente o espectador em quase todos os episódios é uma aula para cineastas e escritores.

Logicamente nem todas as histórias são incríveis e te deixará de queixos caídos. Apontaria uma como fraca, 6 como boas e cinco maravilhosas. Os meus favoritos são os dois primeiros:

Ralphie é o primeiro episódio de Room 104 e faz a série estrear com o pé direito. Um terror muito bem montado, considerando os poucos minutos do curta e as questões já citadas do ambiente. Você não conseguirá piscar nem por um único segundo, sempre à espera do imponderável. Vale apontar as boas atuações de Melonie Diad e Ethan Kent. Até o Omelete deu destaque à estreia:

“Ralphie” soa como um curta de terror despretensioso e abre portas para novos capítulos interessantes

Pizza Boy é outro grande episódio. Com um tom mais de sensualidade, a história trará boas surpresas até o seu fim, destacando, mais uma vez, os pontos fortes dos roteiros da dupla cineasta de irmãos.

Outros episódios talvez até te impressionem mais do que os dois que destaquei, mas uma coisa é certa, se você gosta de boas histórias, com conteúdo original, mesmo sendo feito com pouco custos, precisa ver Room 104.