Recorte Lírico

Tirando a literatura dos corredores acadêmicos

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 3 outros assinantes

Policappelli, um artista quase curitibano

20 de agosto de 2018

Categorias:Crítica Tags:, ,

Policappelli, um artista quase curitibano

É sempre interessante valorizar os artistas locais e é isso que faremos hoje, ou quase, Nini Policappelli (de 73 anos) é originalmente da Itália, mas tem vivido os últimos dez anos aqui em Curitiba. Apesar de produzir suas obras aqui, muitas delas são vendidas para galerias internacionais e seu acervo já conta com mais de 800 produções instaladas em museus e coleções internacionais, principalmente nos Estados Unidos, México, Canadá, Israel e Itália.

Foi realizada esse ano uma exposição de 40 obras de Policappelli, no Memorial de Curitiba, a exposição foi apoiada pelo prefeito da Cidade, Rafael Greca. Os trabalhos estiveram lá entre os dias 27 de Março e 27 de Maio, completando dois meses de exposição. Essa foi a primeira vez que o artista teve seus quadros expostos no Brasil.

Policappelli possui um estilo próprio bem marcante, ele trabalha com diversos materiais, usando alumínio, aço inox e até seda. Mesmo assim, o artista não abre mão do pincel, adaptando esses recursos todos para que recebam as camadas de tinta. Em questão de conteúdo, o ele trabalha com diversas temáticas, buscando bastante a inovação. Um tema que me chamou muito a atenção em suas obras é a temática do corpo da mulher, e mais ainda, da mulher transexual*. No quadro “And the other ones?”, por exemplo, ele traz uma temática de inclusão da mulher transexual, exibindo mulheres nuas, havendo entre elas uma mulher trans, a fim de trabalhar a ideia de igualdade apesar das diferenças físicas. O trabalho “La Natura” também cria essa mesma reflexão, trazendo mulheres trans nuas. É interessante que nesse quadro ele as representa mascaradas, apontando o problema do preconceito. Comumente as mulheres trans não podem admitir suas identidades publicamente, a fim de fugir da discriminação, elas vestem identidades de mulheres cisgêneras*.

Policappelli com certeza bebe de fontes cubistas e surrealistas. Se analisarmos os quadros “Two Women” “Futanari”, “Me, me & me” e “You, you & you” não há como negar a valorização das formas geométricas, da exploração de cores e da distorção da realidade típicas do Cubismo. Nos expostos “Nude in the Garden” I e II, a temática surrealista também é evidente. Ele cria distorções da realidade, temáticas relacionadas a sonhos e ao surreal, explorando formas inexistentes ou indeterminadas, mas que ao mesmo tempo transmitem sentimentos e informações. O professor e crítico de arte Fernando Antonio Fontoura Bini deixou clara sua opinião positiva em relação ao trabalho do artista:

“(…) a sua produção plástica, design, escultura ou pintura reflete a sua própria história e a sua busca sempre pelo novo, pela descoberta. (…) A rebeldia do seu caráter ainda está presente nas temáticas que ele aborda, sem limites, mas acredita que a simplicidade é crucial, por isso um desenho sintético, herdeiro do cubismo, que graficamente determina o assunto do quadro.” (Março de 2018).

Bem, o artista Nini Policappelli é com certeza muito plural, trazendo em seus quadros nuances do Cubismo e Surrealismo com elementos novos, como a transexualidade. Eu, particularmente, tive a honra de ver a exposição pessoalmente e fiquei impressionada. Policappelli definitivamente merece reconhecimento e aplausos, é certamente uma honra ter um artista de tão alta categoria trabalhando em nossa cidade.

 

Policappelli, um artista quase curitibano 1
“You, you & you”. Tecido, seda e acrílico. 90x90cm.

 

Policappelli, um artista quase curitibano 6
“Me, me & me”. Tecido, seda e acrílico. 90x90cm.

 

Policappelli, um artista quase curitibano 4
Nini Policappelli em fotografia atual. (Foto: Prefeitura de Curitiba/Reprodução)

 

Policappelli, um artista quase curitibano 5
Prefeito Rafael Greca prestigiou a abertura da exposição. Policappelli veste casaco bege. (Foto: Prefeitura de Curitiba/Reprodução)

 

Policappelli, um artista quase curitibano 2
Visitantes prestigiando a exposição em noite de abertura. (Foto: Prefeitura de Curitiba/Reprodução)
*Mulheres transexuais ou mulheres trans - quando a mulher possui um corpo biologicamente masculino, mas sua identidade mental e psicológico é feminina. “trans”, prefixo do latim, significa “além de”; os termos “transexual” ou “transgênero” se referem a alguém que possui uma identidade que vai além do corpo físico.

**Mulheres cis ou mulheres cisgêneras - quando a mulher possui um corpo biologicamente feminino e sua identidade mental e psicológica é também feminina. “cis”, do latim significa “ao lado de” e é um prefixo latino que se opõe ao prefixo “trans”. Assim, “cisgênero” se refere a alguém que possui uma identidade que condiz com o corpo físico.