13 de dezembro de 2017

Dor

Dor

Na flor do entardecer espinhos nasceram e sangraram o dedo da tua imaginação.     Leia outras poesias da #QuartaPoética clicando aqui.

22 de novembro de 2017

Descarte

Descarte [#QuartaPoética]

Descarte – Milene Lunes   Não posso aceitar este amor cartesiano de criança ressentida que tudo duvida menos do próprio pensamento.   Leia outros textos da #QuartaPoética clicando aqui.

4 de outubro de 2017

[Quarta Poética] A Cura

[Quarta Poética] A Cura

Necessito unir o que virou chaga Dor e desilusão cicatrizam a ferida Devo beber o sangue derramado E ver crescer meu Eu – a terra prometida. Vinho doce do cálice sagrado Venha a mim como prece proferida Derrama tua sede nesta alma atormentada Faz de mim guardiã da nova vida!   Confira outros textos da Milene Lunes no portal clicando aqui. Milene também é professora de artes, confira o seu trabalho […]

27 de setembro de 2017

Medo

Medo [Quarta Poética]

Fugiste exatamente de quê? Do repousar teus olhos sobre a minha boca? Da proximidade entre os dois corpos? Da confusão entre o pensar e o sentir? Até hoje me choca não a falta de amor, mas o falsete do não no ressoar do sim.   Confira outros textos da Milene Lunes no portal clicando aqui. Milene também é professora de artes, confira o seu trabalho clicando aqui.

22 de setembro de 2017

À Espreita

À Espreita

Lua Virgem desolada sacrifica tua ânsia em fumaça e fogo.   Queima – alma cheia – teu vapor noturno.   Espera tua sina em névoa e manto e verás florescer na margem escura… o broto cintilante da aurora.   Celebra, então, a luz que se aproxima.     Confira outros textos da Milene Lunes no portal clicando aqui. Milene também é professora de artes, confira o seu trabalho clicando aqui.

13 de setembro de 2017

Química Profana

Química Profana [Quarta Poética]

Alma seca sedutora   oca.   Metal fraco ilusão de ouro.   Derrama – joia falsa – teu quilate (condição de chumbo) carne que abate.   Alegra-te espírito ausente – ardilosamente – em cínica alquimia.     Confira outros textos da Milene Lunes no portal clicando aqui. Milene também é professora de artes, confira o seu trabalho clicando aqui.

30 de agosto de 2017

Vingança Apolínea

Vingança Apolínea

(Se acaso foi intenção vingar-te) Contra quem arremessaste tuas flechas fatais? Tolo, ao vingar-te da impossibilidade de um passado perdeste a atualização de um amor possível.

16 de agosto de 2017

Tsunami

Tsunami – Quarta Poética

Mar denso de azul e preto abarcando imensidão.   Espumas lâminas noturnas submundo de  arrebentação.   Garras vingativas porque me olham assim tão altivas diante de tamanha humilhação?   Liquidez Soberana tenha piedade desta alma iniciada, mas ainda ancorada entre veludos e paetês.   Hesitante te peço outra chance para conduzir águas gestantes por meandros sinceros deste vasto coração.

7 de agosto de 2017

Retenção

Retenção

Já nem suor lacrimejas. Orgulha-te, então, de quê? Do afeto que não transpiras?

3 de agosto de 2017

Um dedo de prosa in natura

Um dedo de prosa in natura

Terra quente Umedecida O que queres em mim fertilizar?   Púrpura Aurora É chegada a hora. Chama flamejante Por que estou a vacilar?   Anseio de libertação Um nó de provocação Que fio de Ariadne está a me apertar?