19 de novembro de 2017

As ampulhetas do Amor

[Conto] As ampulhetas do amor

Passei o dia tentando recriar a imagem mental daquela que seria a minha futura calma. Talvez semanas, obnubilado que eu estava. Mãos de algodão, que eram a expressão máxima do conforto, cabelos que a tornavam superior a qualquer outra da festa. Meu coração, hemorrágico, ainda não retomou seu ritmo habitual, descompassando os pulmões. Era o tipo que olhava de dentro, ao passo que eu a fitava com a alma. Deve […]

15 de novembro de 2017

O homem que só quer brilhar

O homem que só quer brilhar

Um homem sem destino, indo por um caminho tranquilo, procurando e chamando por ele, enveredando uma busca por ilusões, farto de suas dúvidas, respirando ar puro, com seus olhos em chamas…dançantes, querendo ver sempre os pássaros que, como jardins, enchem a sua esperança. Um homem que cuida de sua alma, regando as flores de seu passado, dando ração aos cães do seu futuro. Outros que nele leem os anos novos […]

8 de novembro de 2017

Impossível

[Quarta Poética] Impossível

O Impossível protege os meus pés De chegarem mais perto da minha conclusão, Que seria em vão, Não tivesse eu tirado os sapatos à entrada, Na minha Origem. Concluo-me quando não estou disponível a interpretações.

18 de outubro de 2017

1

[Quarta Poética] Beijo burocrático

Foram se perdendo na vivência Disseram o que convém Intimidade cheia de ausência “Eu te amo.” “Eu também.” Do desejo ao meu hálito Burocrático beijo virou hábito   Leia outros textos da Quarta Poética clicando aqui

20 de setembro de 2017

QUARTO

Quarto

Esta parede está cheia de infiltração Deve ter absorvido O que vazou do meu coração

15 de setembro de 2017

Quem sabe amar? 1

Quem sabe amar?

Poesia é com Oberlan Rossetim.

6 de setembro de 2017

A SENHA DA FRAQUEZA HUMANA 1

A senha da fraqueza humana – Quarta Poética

A SENHA DA FRAQUEZA HUMANA O carro forte passa E leva a força das pessoas

3 de setembro de 2017

Choro

Choro

Eu choro bastante. As flores, os sentimentos. Gestos-delícia. As melodias também. A vida aglomera-se em meus olhos. Minhas lágrimas são gotas de beleza. Eu choro bastante. As mortes, as dores, a violência. A indiferença também. Tristeza decompositora. O desamor pesa em meu olhar. Tanto peso faz ele suar, gotejar. Minhas lágrimas são marcas de cansaço na estrada do sonhar. Mas o belo e o melancólico vai construindo o meu lacrimejar […]

23 de agosto de 2017

Sombra

Sombra

A minha sombra sou eu já cansado de mim. É a moldura onde fico exposto, sem decoração, porque falta você me decorar, lembrar sempre de mim. Um quadro que pintaram com um modelo meu que desconheço. É a fumaça-mim, queimado, pelo Sol posto de lado. É o rechaço do eu sonhar, pelo Luar. Despida a minha sombra de mim. Eu em outro lugar. A minha sombra é o meu espírito […]

16 de agosto de 2017

POR ONDE?

Por onde? – Quarta Poética

Perco-me em mim à procura de ti Minh’alma com seus passos Do Amor junta os pedaços Buscando uma direção que a faça Crer num caminho além da perdição