18 de outubro de 2017

[Quarta Poética] O fantasma da Ópera

[Quarta Poética] O fantasma da Ópera

Nas profundezas duma ópera sombria Morava um ser medonho, porém talentoso, Que enlevava com seu almo canto harmonioso, Em suas notas doces de melancolia; Olhos doirados, face obscura e doentia, Ele vagava no anoitecer silencioso, Languidamente, envolto em manto tenebroso, Disseminando sua pérfida magia. O malfadado só sonhava ser amado, Afinal, nem seu pai nem sua mãe o amara, E o seu coração triste tornou-se gelado! Meu caro Erik, se […]

20 de setembro de 2017

Amor - Quarta Poética

Amor – Quarta Poética

Viver é sofrer, sofrer é amar, Amar é viver verdadeiramente. Morrer sem numa vida amar o amar Não é viver, é existir brevemente.   Se não amas, não sonhas; e sonhar É não findar, é ser perenemente. Não sonhar é não sentir, não chorar; É se arrepender quiçá eternamente.   Ama o amor e escalda em suas chamas, Ama e sê como aquilo que tu amas, E em vez de só existires, viverás!   […]

6 de setembro de 2017

Elegia - Quarta Poética

Elegia – Quarta Poética

À sombra do escuríssimo cipreste, Próximo destas árvores chorosas, Descerram-se lembranças dolorosas Do derradeiro beijo que me deste.   Recordo-me de teu olhar celeste, A então contemplar as lôbregas rosas, Que estavam congeladas… mas brilhosas, Pelo Inverno, — que de dor tudo veste. —   A face deplorando amargo pranto, Sobre um gótico túmulo, falaste: “Vê como de tais flores morre o encanto!   O Inverno da vida também — […]

23 de agosto de 2017

Dualidade

Dualidade

Em meus lábios surge um triste sorriso Que exala agonia e solidão apenas… Dormem no silêncio de minha alma as cenas Que outrora eram parte de um paraíso.   Às vezes lembranças belas e serenas Tornam-se suspiros negros, e é preciso Olvidá-las pra não verter sobre o riso Do passado lágrimas de eternas penas.   Meu coração pálido chora na treva Por não deslembrar o Amor que me leva Para […]