14 de setembro de 2018

Tradição e tradução na Sétima Arte

Tradição e tradução na Sétima Arte

O processo contínuo da formação da identidade, conforme Stuart Hall […], há a ênfase nas origens, na continuidade, na tradição e na intemporalidade. A identidade nacional é representada como primordial — “está lá, na verdadeira natureza das coisas”, algumas vezes adormecida, mas sempre pronta para ser “acordada” de sua “longa, persistente e misteriosa sonolência”, para reassumir sua inquebrantável existência […]. Os elementos essenciais do caráter nacional permanecem imutáveis, apesar de […]

29 de agosto de 2018

O grande Gatsby (2013), de Baz Luhrmann: estilo e sociedade 2

O grande Gatsby (2013), de Baz Luhrmann: estilo e sociedade

Neste artigo, analisam-se as diferenças entre o livro O grande Gatsby e o filme homônimo, para marcar as questões de estilo do diretor, na adaptação cinematográfica. Para tanto, será usado o termo “verossímil”, conforme acepção de Jacques Aumont: “O verossímil diz respeito, simultaneamente, à relação de um texto com a opinião comum, à sua relação com outros textos, mas também ao funcionamento interno da história que ele conta” (AUMONT, 1995, […]

16 de agosto de 2018

A intermidialidade em O Grande Gatsby 1

A intermidialidade em O grande Gatsby

O filme O grande Gatsby, de Baz Luhrmann, lançado em 2013, é a quarta adaptação do romance de mesmo nome, escrito em 1925, pelo escritor norte-americano Francis Scott Key Fitzgerald. Em 1926, Herbert Brenon dirigiu o filme mudo que foi a primeira adaptação cinematográfica do clássico. A segunda versão para o cinema veio em 1949, com direção de Elliott Nugent. No ano de 1974, foi lançada a terceira adaptação fílmica, […]

2 de agosto de 2018

POESIA E CINEMA: NO PRÍNCIPIO ERA O VERSO...

POESIA E CINEMA: NO PRÍNCIPIO ERA O VERSO…

MORTE E VIDA SEVERINA O filme Morte e vida severina, lançado junto com Quincas Berro D’água, no ano de 1977, com direção de Walter Avancini, traz algumas novidades que o tornam estranho ao padrão Globo. A primeira inovação é a escolha de um texto poético para a adaptação, o que resultou em dificuldades e não produziu, com já era esperado, um resultado popular ou comercial, como a maioria das realizações […]

12 de julho de 2018

DOM CASMURRO: DO TEXTO LITERÁRIO AO FILME

DOM CASMURRO: DO TEXTO LITERÁRIO AO FILME

Para Jorge Furtado, a principal dificuldade do roteirista é concretizar sentimentos e sensações, pois, segundo ele, o roteiro de um filme deve ser visual, já que no cinema não ocorre como na literatura, que, por meio das palavras, leva o leitor a imaginar o que está sendo descrito. O filme já é o resultado de uma leitura. Por isso, deve transformar tudo o que na obra literária é abstrato em […]

28 de junho de 2018

Dualidade do novo gótico e pluralidade cross-media na minissérie Vade Retro 10

Dualidade do novo gótico e pluralidade cross-media na minissérie Vade Retro

DUALIDADE DO NOVO GÓTICO E PLURALIDADE CROSS-MEDIA NA MINISSÉRIE VADE RETRO[i]   Verônica Daniel Kobs[ii]   Esta análise objetiva discutir o novo gótico[iii] na minissérie Vade retro, exibida na Rede Globo, em 11 capítulos, no período de 20 de abril a 29 de junho de 2017[iv]. Com base nos conceitos de: alusão e citação, de Gérard Genette; intertextualidade, de Julia Kristeva; intermidialidade, de Irina Rajewsky; e carnavalização, de Mikhail Bakhtin, […]

14 de junho de 2018

Transformações do literário no filme Lisbela e o Prisioneiro 2

Transformações do literário no filme Lisbela e o Prisioneiro

(Atenção: alerta de spoilers.)* Metalinguagem   Na esteira da peça de Osman Lins, um dos assuntos do filme Lisbela e o prisioneiro (BRA, 2003), de Guel Arraes, é o próprio cinema. Na peça do escritor pernambucano, já há referência ao cinema, mas de modo sutil. Jaborandi, o cinéfilo do texto, empresta essa sua característica a Lisbela, que, no longa, além de acompanhar os seriados, também ensina Douglas sobre como se […]

29 de maio de 2018

New Weird e novo gótico em Memórias Desmortas de Brás Cubas¹

Neste trabalho, serão apresentadas as retomadas das estéticas gótica e weird[i], de modo a ressaltar as coincidências e as diferenças entre o passado e o presente. Nas duas vertentes atualizadas, o fantástico e o horror têm importância fundamental e, a partir do romance Memórias desmortas de Brás Cubas, de Pedro Vieira, isso será associado ao protagonista zumbi. O morto-vivo é elemento bastante profícuo para a análise, pois representa, simultaneamente, características […]

17 de maio de 2018

Linguagens e formas da cultura miltitelar em “Homens, mulheres & filhos” 7

Linguagens e formas da cultura multitelar em “Homens, mulheres & filhos”

Este trabalho propõe a análise do livro Homens, mulheres & filhos, de Chad Kultgen, e do filme homônimo, dirigido por Jason Reitman. Tomando como base o predomínio da tecnologia na sociedade do século XXI, objetiva-se discutir os elementos da história que demonstram de que forma as novas mídias reconfiguraram o comportamento individual, as relações interpessoais e o aspecto formal da literatura e do cinema. No primeiro aspecto, serão enfatizados o […]

3 de maio de 2018

Variações de terror e violência em American Horror Story

Variações de terror e violência em American Horror Story

(Atenção: alerta de spoilers.)   Idealizada e produzida por Ryan Murphy e Brad Falchuk, a série televisiva American horror story, transmitida pelo canal FX, já completou sete temporadas. No ar desde 2011, a atração é considerada um dos maiores sucessos dos últimos tempos no gênero do terror. Esse tipo de narrativa associa-se às histórias de horror, ao novo gótico e ao fantástico, elementos que, atrelados, representam de modo exemplar a […]