6 de abril de 2017

Hamlet (quem diria?) ainda vive…(Parte I)

   Anualmente, no mês de abril, amantes da literatura e de outras artes costumam celebrar a importância das obras de Shakespeare, escritor inglês mundialmente conhecido, que nasceu em 26 de abril de 1564 e faleceu em 23 de abril de 1616. Portanto, há um duplo motivo para este mês ter sido batizado como “Abril de Shakespeare”. O artista excede sua época, atravessa décadas, séculos e suas histórias, quatrocentos anos depois, […]

23 de março de 2017

Tendências artísticas e interartísticas

Em conformidade com as vanguardas europeias, que tinham como principais metas a recusa à representação mimética tradicional e a liberdade social e estética, as tendências artísticas do Neoplasticismo e do Abstracionismo, durante as décadas de 1910 e 1920, privilegiavam as formas geométricas e o aspecto não-figurativo. Isso equivale a dizer que a relação direta da arte com o referente externo passou a ser desconsiderada. Em 1920, Malevitch retomou as principais […]

9 de março de 2017

Literatura no Samba – por Verônica Daniel Kobs

LITERATURA NO SAMBA Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs* Na avenida, a fantasia vira realidade Este ano, o tema da Mocidade Independente de Padre Miguel foi Marrocos, a literatura do Oriente e suas narrativas maravilhosas, que enfatizam o sonho e a imaginação. Por esse motivo, as histórias acentuam a “suspensão da descrença” (Cf. ECO, 1994), característica que, de acordo com Todorov, faz parte do que o autor chama de “maravilhoso exótico”: […]

21 de fevereiro de 2017

Literatura e Cinema: Uma introdução à intermidialidade

Umberto Eco, que, em vários textos, analisa o parentesco entre cinema e literatura, falando sobre a obra de Manzoni, em seu livro Seis passeios pelos bosques da ficção, escreve: “Não venham me dizer que um escritor do século XIX desconhecia técnicas cinematográficas: ao contrário, os diretores de cinema é que usam técnicas da literatura de ficção” (ECO, 1994, p. 77). Tal citação, ao mesmo tempo que menciona a ligação entre […]

7 de dezembro de 2016

O pai e o filho eterno

Verônica Daniel Kobs* Como resultado de um processo natural e involuntário, todo artista torna-se vítima de si próprio. O sucesso, na pintura, na tevê, na literatura ou em qualquer outra arte, faz com que o público crie para o artista um personagem que deve entrar em cena sempre que ele estiver fora de sua esfera privada. O artista parece ganhar as qualidades do conjunto de sua obra e, como todo […]

23 de novembro de 2016

E O NOBEL DO RAUL?

 Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs* Nos últimos dias, pela surpresa causada pelo anúncio do Nobel de Literatura deste ano, a pergunta que recebo é sempre a mesma: e o Bob Dylan? Primeiro, a pergunta veio de um aluno de Letras. Eu tinha sabido da notícia um dia antes. Lembro que fiquei meio atônita, quando ouvi no rádio, mas de um dia para outro mal tive tempo de pensar a respeito. […]

10 de novembro de 2016

As vozes do feminino nas obras de Hilda Hilst e Frida Kahlo

AS VOZES DO FEMININO NAS OBRAS DE HILDA HILST E FRIDA KHALO* Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**           Elaine Showalter considera a arte das mulheres “um ‘discurso de duas vozes’ que personifica sempre as heranças social, literária e cultural tanto do silenciado quanto do dominante” (SHOWALTER, 1994, p. 50). Para a autora, essa posição “inconstante”, volúvel e aparentemente contraditória não é mera característica da produção artística feminina; ela é inevitável […]

26 de outubro de 2016

Traduções da pintura em ‘Breve espaço entre cor e sombra’, de Cristovão Tezza

TRADUÇÕES DA PINTURA EM BREVE ESPAÇO ENTRE COR E SOMBRA, DE CRISTOVÃO TEZZA* Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs**             No romance Breve espaço entre cor e sombra, há quatro capítulos especiais, porque apresentam o processo artístico do pintor Tato Simmone, na composição de suas telas: Crianças, Immobilis sapientia, Estudo sobre Mondrian e Réquiem. São essas pequenas histórias, com títulos homônimos aos quadros pintados pelo protagonista, que serão analisadas neste ensaio. […]

11 de outubro de 2016

O público: Espectador e personagem na obra de Nelson Rodrigues – por Verônica Daniel Kobs

Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs** O erotismo, na obra de Nelson Rodrigues, funcionava como principal agente da quebra de tabus, necessária para a transgressão das normas sociais, instalando, assim, o conflito que essas travam com o instinto:  As opções de Nelson Rodrigues não foram as que então se esperavam. Crítica e público desapontavam-se com o clima crescentemente mórbido de sua dramaturgia, com o acúmulo de situações anômalas e de pormenores […]

27 de setembro de 2016

Dalton Trevisan e a literatura do contra, por Verônica Daniel Kobs

HISTÓRIAS DE DALTON Profa. Dra. Verônica Daniel Kobs¹ João e Maria: infelizes para sempre² Fazem parte da mitologia daltoniana os personagens João e Maria, que, apesar de serem nomeados, são gerais, anônimos, estereótipos que se enfrentam diariamente, na interminável guerra conjugal. Dalton Trevisan dessacraliza o casamento e revela a violência, as frustrações e a infelicidade da vida privada. No que diz respeito às relações conjugais e familiares, os contos do […]