15 de outubro de 2018

La Plêiade, uma geração de poetas

La Plêiade, uma geração de poetas

Existem vários movimentos poéticos dentro dos períodos literários, podemos citar, por exemplo, os Byronianos, os poetas da Inconfidência Mineira, a Geração de 22, os Condores ou a Tríade Parnasiana, isso que eu só estou citando os brasileiros. Se voltarmos na história, encontraremos vários exemplos de grupos de poetas que criaram um Zeitgeist, ou um Espírito de Época. Nesse texto irei falar sobre um movimento de poetas franceses do século XVI, […]

14 de outubro de 2018

Sexo, mentiras e Ovídio (tape) 2

Sexo, mentiras e Ovídio (tape)

Do vasto cemitério literário latino onde tantos mortos repousam no esquecimento, Ovídio é dos poucos que sobrevive. A Arte de Amar e as Metamorfoses dar-lhe-iam sempre um lugar em qualquer panteão da Literatura e, ao imenso talento, acrescenta-se uma biografia romanesca e um icónico exílio. Neste pequeno ensaio, a par de uma sintética biografia, exponho de forma elíptica os temas e estrutura de algumas obras de Ovídeo: o Ars Amatoria, […]

2 de setembro de 2018

Amélie Nothomb, Kafka no Japão 4

Amélie Nothomb, Kafka no Japão

No último ensaio neste espaço que escrevi sobre Amélie Nothomb tratava o livro “Une forme de vie”(leia clicando aqui), um livro já de 2010. Por muito que Amélie nos tente “vender” a ideia da escrita que lhe “aparece” às 5h da manhã, descendo do céu de alguma inspiração diária, todo o escritor sofre evoluções e maturações. Já que muitos se interessam pelos processos de escrita dos escritores, segundo a própria, […]

26 de agosto de 2018

Simone de Beauvoir, As mulheres também choram 2

Simone de Beauvoir, As mulheres também choram

Neste pequeno ensaio exponho rapidamente algumas impressões e reflexões da leitura dos surpreendentes Cahiers de Jeunesse de Simone de Beauvoir e teço algumas considerações livres em torno do filme Les Amants du Flore (Os Amantes do Café Flore). Para quem tenha, de alguma forma, sido exposto ao ícone de Simone de Beauvoir, tenha lido algum dos seus livros ou conheça alguma parte da sua biografia, a leitura dos Diários de […]

29 de julho de 2018

Lírica, a expressão dos desassombrados 1

Lírica, a expressão dos desassombrados

O termo “lírica” deriva de “lira”, instrumento musical atribuído a Apolo, a Orfeu, entre outros que acompanhava os cânticos. O instrumento torna-se símbolo de uma unidade harmónica com forte capacidade de pacificar o coração e aliviar os sofrimentos infernais, é, por isso, símbolo dos poderes da poesia e está estritamente ligado ao destino dos homens. O termo aparece na Poética de Aristóteles, mas é por este “desvalorizado”, uma vez que […]

16 de julho de 2018

“Baudelaire” biografia em forma de poema escrito por Rilke 1

“Baudelaire” biografia em forma de poema escrito por Rilke

“Se não for Baudelaire eu nem leio” É, parece que Rilke partilhava dessa ideia, e quem não compartilha? Afinal, Baudelaire é realmente um dos nomes mais icônicos da poesia (sou só eu que acho isso?). No entanto, apesar de receber aplausos, Baudelaire recebeu também muitas vaias do público conservador de sua época e teve muitas críticas ruins com relação ao que escrevia. Tendo isso em mente, observemos o poema de […]

15 de julho de 2018

Odisseia e Eneida, o canto dos heróis

Odisseia e Eneida, o canto dos heróis

Este pequeno ensaio é uma adaptação rápida de fragmentos de um trabalho académico mais estruturado. Aqui limito-me a fazer uma breve exposição da Odisseia e da Eneida. De uma forma ou de outra, seja através dos livros de banda desenhada ou de adaptações cinematográficas, tarde ou cedo somos expostos à Odisseia ou a alguma variação narrativa da mesma. De um certo ponto de vista, todas as narrativas com algum tipo […]

18 de junho de 2018

O mundo que oprime poetas: uma análise comparativa entre poemas de Dickinson e Rilke.

O mundo que oprime poetas: uma análise comparativa entre poemas de Dickinson e Rilke.

Nesse presente texto, apresentar-se-á uma análise comparativa entre poemas de dois autores certamente brilhantes: Rilke e Dickinson, observe-se os excertos: Excerto 1: “A pantera”, de Rilke “Seu olhar, de tanto percorrer as grades, está fatigado, já nada retém. É como se existisse uma infinidade de grades e mundo nenhum mais além. O seu passo elástico e macio, dentro do círculo menor, a cada volta urde como que uma dança de […]

8 de junho de 2018

Paulicéia Desvairada: o prefácio é mais manifesto que a obra

Paulicéia Desvairada: o prefácio é mais manifesto que a obra

A Semana de Arte Moderna, evento realizado no Teatro Municipal de São Paulo, inaugurou a fase modernista das principais expressões artísticas do Brasil. Um dos grandes expoentes desse movimento é o autor Mário de Andrade, tão paulistano quanto o evento, que escreveu, dentre tantos outros títulos relevantes, “Paulicéia desvairada”. Em seu prefácio, o autor produz um verdadeiro manifesto – muito embora o próprio Mário esquive-se de tal feito – o […]

4 de junho de 2018

Análise comparativa: canções da inocência no holocausto

Análise comparativa: canções da inocência no holocausto

“Oh! que saudades que tenho Da aurora da minha vida, Da minha infância querida Que os anos não trazem mais! (…)”   É, todos têm um pouco de saudades da infância, afinal, é uma época da vida em que tudo é fácil e em que somos inocentes, ainda não tocados pela frialdade da experiência de viver a vida adulta. Na infância tudo é sonho, fantasia, diversão. Em “Canções da inocência […]