12 de julho de 2017

Agrilhoado

Quarta Poética: Agrilhoado, por Matheus Machado

Estou aos grilhões Norma, forma Para escrever Orna Esconde o que incomoda Engole o novo e A alternativa, afoga Estou aos grilhões Mas sou poeta E a poesia é que me liberta

4 de abril de 2017

Ilustres desconhecidos da poesia brasileira: Colombo de Sousa

         Colombo de Sousa – brilhante poeta paranaense – nasceu em 12 de outubro de 1920, no município de Colombo.  Filho de professores, frequentou o curso primário em Jaguaraíva (PR), onde foi aluno de seu pai, Prof. Ignácio Alves de Souza Filho. Prosseguiu com seus estudos em Curitiba, graduando-se como professor normalista. Posteriormente, licenciou-se em História e formou-se em Direito (UFPR). Produziu poesia de excelente qualidade, tendo […]

22 de setembro de 2016

O mundo como um palco: Um passeio pelo bosque de Wislawa Szymborska

“Eu levo o mundo como o mundo é, Graciano: um palco, onde cada homem tem o seu papel, e o meu é triste.” (William Shakespeare – Antônio a Graciano, in “O Mercador de Veneza” – Ato I, Cena I) Imagem: Reprodução A vida enquanto peça é uma das analogias mais fantásticas que o contato com o Teatro nos proporciona. Da infância à velhice, sempre estaremos assumindo diversos papéis, em diversos […]

15 de agosto de 2016

Ilustres desconhecidos da poesia brasileira: Sérgio Rubens Sossélla

O Paraná, apesar do modesto investimento em cultura por parte de seu Governo, é solo fértil de artistas, sobretudo na poesia. De Júlia da Costa a Paulo Leminski, a poesia paranaense – em âmbito nacional – ainda carece de reconhecimento. Nomes como Colombo de Sousa, Dario Vellozo e Walmor Marcelino perderam-se no tempo. Ademais, cabe citar a poesia marginal do movimento “Sala 17” – fundado na década de 1970 por Antonio Thadeu […]

12 de agosto de 2016

Recortes Literários | Goethe e o efêmero: Werther e Emil Rau

Imagem: Kitchen Conversation/Emil Rau Eis o que tu és nesta casa! Tudo em todos. Os teus amigos têm consideração por ti! Muitas vezes lhes dás alegrias e o teu coração supõe que não poderias existir sem eles. Todavia, se tu partisses, se te afastasses dessa roda, sentiriam eles o vácuo que a tua ausência causaria ao seu destino? E por quanto tempo? Ah, o homem é tão efêmero que, mesmo […]