9 de agosto de 2017

Desplugando-me

Desplugando-me

Desplugou-se os cabos e descobri um mundo real Conectei-me ao universo do beijo e do abraço, sem máscaras, nem embaraços. Minha vida não é mais um status.

7 de agosto de 2017

Retenção

Retenção

Já nem suor lacrimejas. Orgulha-te, então, de quê? Do afeto que não transpiras?

3 de agosto de 2017

Um dedo de prosa in natura

Um dedo de prosa in natura

Terra quente Umedecida O que queres em mim fertilizar?   Púrpura Aurora É chegada a hora. Chama flamejante Por que estou a vacilar?   Anseio de libertação Um nó de provocação Que fio de Ariadne está a me apertar?

2 de agosto de 2017

Fome de Modernidade

Fome de Modernidade

Vi na geada o branco sideral queimar o verde pasto Campos inteiros antes férteis não deram uma semente Trabalhadores da terra apesar seguiram em frente Fazendo jus – e com muito carinho – ao tempo gasto   Lavoura linda enfeitada com chapéu foi extinta O que antes estava confirmado a milhares de sacas Pelas paisagens agora só se vê tristes queimadas matas Que nos cálculos a porcentagem que sobrou não […]

1 de agosto de 2017

Um vínculo (des)necessário

Um vínculo (des)necessário

Versado em sentido deixaste cativo o vínculo de um mal atuado.   A coragem que se ausentou do encontro foi a mesma que não compareceu ao desenlace.   Foi na via escorregadia de tua impropriedade que o sentido se perdeu.

30 de julho de 2017

Amaryllis

Amaryllis

Eu Açucena Aceno Desassossego   Orvalho Entristecido… respingos, lampejos.   Céu de Pensamentos não apagues aquela Estrela que incansavelmente iluminou-te Açucenas.   não só os Temporais leves a Luz do Alvorecer estás comigo também assim… não só como Noite mas como Céu de Primavera nos tempos em que ainda eras o Sol a me aquecer.   reconheço o Fim do que não pôde Fertilizar, embora não seja o suficiente para […]

28 de julho de 2017

Fim de semana, por Oberlan Rossetim

Fim de semana, por Oberlan Rossetim

A imaginação é o sábado da razão.  

25 de julho de 2017

Escrita Noturna - por Aline Bei

Escrita Noturna – por Aline Bei

risco um fósforo enquanto penso no texto que descansa na folha, tem alguma coisa nele que está fora do lugar, alguma descrição, talvez do bairro que o personagem visitou. digito no google o nome da rua:   passo de foto em foto   nenhuma me diz do cheiro que a noite tem ali, da cor das crianças quando dormem se elas amarelam, do nome do dono do pub, já sei. […]

12 de julho de 2017

Agrilhoado

Quarta Poética: Agrilhoado, por Matheus Machado

Estou aos grilhões Norma, forma Para escrever Orna Esconde o que incomoda Engole o novo e A alternativa, afoga Estou aos grilhões Mas sou poeta E a poesia é que me liberta

4 de abril de 2017

Ilustres desconhecidos da poesia brasileira: Colombo de Sousa

         Colombo de Sousa – brilhante poeta paranaense – nasceu em 12 de outubro de 1920, no município de Colombo.  Filho de professores, frequentou o curso primário em Jaguaraíva (PR), onde foi aluno de seu pai, Prof. Ignácio Alves de Souza Filho. Prosseguiu com seus estudos em Curitiba, graduando-se como professor normalista. Posteriormente, licenciou-se em História e formou-se em Direito (UFPR). Produziu poesia de excelente qualidade, tendo […]