17 de novembro de 2017

Os 10 melhores poemas de Canções de Inocência e Canções de Experiência, de William Blake

Os 10 melhores poemas de Canções de Inocência e Canções de Experiência, de William Blake

Sendo a obra mais conhecida de William Blake, Canções de Inocência e Canções de Experiência nasce como dois estados contrários da alma humana, o da Inocência (infância) e o da Experiência (corrupção da infância pela política, religião e sociedade). Os poemas foram todos escritos e ilustrados por Blake, e apresentam uma musicalidade incrível (afinal, são canções). Abaixo estão os 10 melhores poemas da obra, segundo a liberdade que eu tomei […]

9 de novembro de 2017

As Iracemas do cinema

As Iracemas do cinema

As versões cinematográficas de Iracema A primeira adaptação fílmica do romance de Alencar foi intitulada Iracema, a virgem dos lábios de mel, dirigida por Carlos Coimbra e lançada em 1979. Considerado pela crítica como acadêmica, pela fidelidade extrema ao texto literário, o filme não teve grande impacto. Além da falta de novidades, a versão de Carlos Coimbra é acrítica, já que desconsidera as ausências que, desde o Modernismo, Mário de […]

26 de outubro de 2017

1

A Iracema da literatura

A obra de José de Alencar, em seu conjunto, representa um marco na literatura brasileira, pela tentativa de autonomia cultural, fato resultante do momento político, já que o Romantismo começou enfatizando o nacionalismo, no intuito de levar a independência política para a esfera cultural. O objetivo do autor, como ele mesmo atesta, nas cartas que escreveu aos seus contemporâneos, era, por meio da lenda de surgimento do Ceará, resgatar a […]

9 de outubro de 2017

Nobel de Literatura Kazuo Ishiguro é um autor que não "funga em seu pescoço"

Nobel de Literatura Kazuo Ishiguro é um autor que não “funga em seu pescoço”

Da orelha de seus livros, Kazuo Ishiguro encara o leitor com um olhar plácido e levemente irônico. Se a onda do momento é a autoficção, o autor grudado no cangote do leitor (chorando, praguejando ou oferecendo seu ruidoso niilismo, mas sempre com um bafo quente em seu pescoço), Ishiguro oferece distância. Em seus livros, o leitor se aflige enquanto a narrativa não se dobra a espelhar essa emoção. Ao anunciá-lo […]

31 de agosto de 2017

Inferno e paraíso de um erro DE UM ERRO EMOCIONAL

Inferno e paraíso de ‘um erro emocional’

Um erro emocional, de Cristovão Tezza, começa com a afirmação de um erro, descontrole que desencadeia um caminho pelo Inferno das lembranças, dos traumas, das derrotas, dos amores e das traições do personagem e autor Paulo Donetti. Do começo ao fim da história, o vinho servido por Beatriz aproxima o protagonista de sua verdade. A linguagem reflete o processo do autoconhecimento, com negativas, retrocessos, fantasias e um avanço lento e […]

17 de agosto de 2017

Uma leitura das cores 3

Uma leitura das cores

Uma tarde e dois filmes. Primeiro, Julieta, de Pedro Almodóvar. Depois, Life, de Anton Corbijn. Duas experiências intensas. Histórias profundas, fascinantes e reflexivas. Entretanto, quando escolhi os dois filmes do dia, não esperava encontrar tantas coincidências entre eles. Na metade de Life, percebi a maior delas: a definição das cores e o forte aspecto semântico de todo aquele cromatismo, que, pela ordem dos filmes, começou com cores fortes e quentes […]

14 de agosto de 2017

O banquete babilônico

O banquete babilônico

O cativeiro babilônico é um dos temas mais profícuos em nossa tradição poética, tendo sido fixado pelas redondilhas camonianas: Sôbolos rios que vão Por Babylonia, me achei, Onde sentado chorei As lembranças de Sião, E quanto nella passei. Alli o rio corrente De meus olhos foi manado; E tudo bem comparado, Babylonia ao mal presente, Sião ao tempo passado. Alli lembranças contentes N’alma se representárão; E minhas cousas ausentes Se […]

26 de maio de 2017

O desconforto em falar de suicídio

O desconforto em falar de suicídio

É engraçado. Eu não queria — mesmo — falar sobre 13 Reasons Why. Na realidade, eu não queria nem mesmo ver. A ideia de assistir um seriado sobre as treze razões de uma garota adolescente ter se matado parecia realmente mórbido para mim. Contextualizando, eu tinha acabado de me reerguer de uma situação complicada — vou ser sincera, ainda estava me reerguendo — e não queria que algo assim me […]

23 de maio de 2017

Um olhar do paraíso é um olhar humanístico

Há um tempo, mais precisamente no fim do ano passado, minha esposa e eu resolvemos assistir um filme que, inicialmente, eu resisti e muito em vê-lo. Ainda bem que eu acabei aceitando. Trata-se do filme “Um olhar do paraíso”, dirigido pelo ótimo Peter Jackson – o mesmo de “The Hobbit” -, estrelado por Saoirse Ronan, Rachel Weisz e Mark Wahlberg, um elenco experiente, embora jovem. A narrativa nos traz elementos […]

8 de maio de 2017

O amanho da memória – por Wagner Schadeck

O amanho da memória – por Wagner Schadeck

A poesia luso-brasileira possui três mestres incontestáveis: Gonçalves Dias, António Nobre e Manuel Bandeira. Nestes poetas sui generisencontramos um rico armazém de formas e recursos poéticos, a que qualquer jovem pode acessar tanto para se formar culturalmente quanto para beber o vinho do espírito. Poetas singulares, como eles, não forma epígonos, mas herdeiros. A partilha dessa herança inesgotável e sua manutenção é um imperativo poético, sobretudo, numa nação, como a […]