Tsunami

Tsunami – Quarta Poética

16 de agosto de 2017

Mar denso de azul e preto abarcando imensidão.   Espumas lâminas noturnas submundo de  arrebentação.   Garras vingativas porque me olham assim tão altivas diante de tamanha humilhação?   Liquidez Soberana tenha piedade desta alma iniciada, mas ainda ancorada entre veludos e paetês.   Hesitante te peço outra chance para conduzir águas gestantes por meandros sinceros deste vasto coração.