8 de novembro de 2017

Impossível

[Quarta Poética] Impossível

O Impossível protege os meus pés De chegarem mais perto da minha conclusão, Que seria em vão, Não tivesse eu tirado os sapatos à entrada, Na minha Origem. Concluo-me quando não estou disponível a interpretações.

31 de outubro de 2017

31 poemas de Drummond musicados por Belchior

31 poemas de Drummond musicados por Belchior para celebrar o seu aniversário

No disco “As várias caras de Drummond”, Belchior homenageia o Drummond, musicando 31 de seus poemas. “Em entrevista concedida ao Jornal do Brasil em julho de 1987, um Carlos Drummond de Andrade abatido e desesperançoso declarou acreditar que seria esquecido tão logo nos deixasse. Dezessete dias depois ele nos deixou. Mas, ao que tudo indica, não foi esquecido. No ano em que Drummond completaria 101 anos, a Editora Caras, em […]

18 de outubro de 2017

1

[Quarta Poética] Beijo burocrático

Foram se perdendo na vivência Disseram o que convém Intimidade cheia de ausência “Eu te amo.” “Eu também.” Do desejo ao meu hálito Burocrático beijo virou hábito   Leia outros textos da Quarta Poética clicando aqui

4 de outubro de 2017

[Quarta Poética] A Cura

[Quarta Poética] A Cura

Necessito unir o que virou chaga Dor e desilusão cicatrizam a ferida Devo beber o sangue derramado E ver crescer meu Eu – a terra prometida. Vinho doce do cálice sagrado Venha a mim como prece proferida Derrama tua sede nesta alma atormentada Faz de mim guardiã da nova vida!   Confira outros textos da Milene Lunes no portal clicando aqui. Milene também é professora de artes, confira o seu trabalho […]

15 de setembro de 2017

Quem sabe amar? 1

Quem sabe amar?

Poesia é com Oberlan Rossetim.

13 de setembro de 2017

Química Profana

Química Profana [Quarta Poética]

Alma seca sedutora   oca.   Metal fraco ilusão de ouro.   Derrama – joia falsa – teu quilate (condição de chumbo) carne que abate.   Alegra-te espírito ausente – ardilosamente – em cínica alquimia.     Confira outros textos da Milene Lunes no portal clicando aqui. Milene também é professora de artes, confira o seu trabalho clicando aqui.

3 de setembro de 2017

Choro

Choro

Eu choro bastante. As flores, os sentimentos. Gestos-delícia. As melodias também. A vida aglomera-se em meus olhos. Minhas lágrimas são gotas de beleza. Eu choro bastante. As mortes, as dores, a violência. A indiferença também. Tristeza decompositora. O desamor pesa em meu olhar. Tanto peso faz ele suar, gotejar. Minhas lágrimas são marcas de cansaço na estrada do sonhar. Mas o belo e o melancólico vai construindo o meu lacrimejar […]

9 de agosto de 2017

Ser ou não ser: o que é a Poesia?

Ser ou não ser: o que é a Poesia?

Rima pobre Rima rica Se não rima Menos Poesia A Poesia fica?

9 de agosto de 2017

Desplugando-me

Desplugando-me

Desplugou-se os cabos e descobri um mundo real Conectei-me ao universo do beijo e do abraço, sem máscaras, nem embaraços. Minha vida não é mais um status.

8 de agosto de 2017

Um poeta de classe

Um poeta de classe

De um modo geral, Chesterton distinguia na sociedade três classes de pessoas. A classe do povo, a dos poetas e a de cientistas e intelectuais. De maior valor, a primeira classe é responsável pela produção. A ela em alguma medida pertencemos todos nós. Como um mal para suas famílias, ainda que um bem para a humanidade, a segunda classe é responsável pela expressão do sentimento popular. A ela pertencem aqueles […]