Sushipeia

Sushipeia

Minha viagem de dezessete horas foi extremamente cansativa. Quando finalmente cheguei na casa do meu amigo, onde eu ficaria hospedado, não tinha ânimo pra fazer nada que desse muito trabalho.

Logo, pediríamos um delivery.

Pato Manso me disse que isso não era problema, mesmo que fosse meia noite e pouco.

— Essa é a cidade que não dorme bicho! Tem uma gama de opções de comida que você quiser. Curte cachorro quente?

— Hum! Gosto sim — eu disse.

— Os cachorros quentes daqui são sensacionais. Vem mais de uma salsicha, frango, milho, batata palha, purê de batata, queijo, uva passa e ovo de codorna.

— Não gosto de uva passa… nem de ovo de codorna.

— Curte comida japonesa?

— Comi uma vez e curti pra caralho — me apressei a dizer. Realmente tinha gostado muito, mas por achar que talvez eu tenha tido a impressão de que tudo estava bom naquela noite porque eu estava acompanhado da Grazy, minha crush, e por julgar não ser a melhor das ideias pedir delivery de comida crua, optei por dispensar — Ah, acho melhor não, cara.

— Porra, Sushipeia é sensacional! Pedimos lá, semana passada, uns amigos e eu.

sushipeia - Sushipeia

— Sushipeia?

— É. Eles fazem pratos bonitinhos com comida japonesa. Olha.
Me mostrou a tela do celular, com o iFood aberto. Havia ali uma espécie de centopeia de sushis enfileirados. No que seria a cabeça, tinha anteninhas de enfeite.

Achei aquilo muito esquisito.

— Que negócio estranho, cara. O que de diferente e não sem noção tem por aqui?

— Tem joelho de porco.

— QUÊ???

— É gostoso, mano.

Joelho de porco tem carne?

Porcos não estão tão longe evolutivamente da gente, estão?

Eles não teriam mais cartilagem que carne no joelho? É cartilagem o que temos por ali, não? Ou sou um completo ignorante se tratando de anatomia joelhesca?

— Não quero isso não, cara — falei.

— Hummmm….

— Pizza — eu disse, não querendo mais ideias excêntricas. — Vocês gostam de pizza aqui, não?

— Galera adora pizza aqui, cara. Eu especialmente.

— Pede uma pizza aí.

— Beleza! De quê você quer?

— Você escolhe. Deve conhecer vários sabores.

A campainha tocou quarenta e sete minutos depois e descobri que o desgraçado tinha pedido uma pizza de sushi.

— Puta merda, cara! — eu falei pra ele, puto da vida.

Abri eu mesmo o iFood e pedi um cheese burguer. Só que capotei de cansado antes do entregador chegar.

Todas as terças, às 11h00, leia a coluna especial do Farrel Kautely.
Comentários
Farrel Kautely

Farrel Kautely

Farrel Kautely, 1994, é de Belo Horizonte. Escritor e professor, atualmente reside em Mariana - MG, onde cursa Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto. Possui várias obras publicadas, dentre elas "Minúscula Pulga" (romance), "Picas da Galáxia" e "Sushipeia" (crônicas) e "O mínimo que você precisa fazer para ser um completo idiota" (ensaios e pequenos artigos). E-mail: kauty.s@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *