O silêncio dos anjos

O silêncio dos anjos

Já há muitos anos que os livros policiais são muito mais que um mero livro policial: resta ainda o preconceito, sobretudo dos literatos, contra o género literário – os preconceitos têm uma pele dura como os lagartos. O género policial é um campo fértil para grandes talentos literários.

No fundo, “Uma crença silenciosa em anjos” (A quiet belief in angels) nem sequer é um policial, deveríamos classificá-lo como um thriller, uma vez que esperamos o desenlace e o leitor é embalado num ambiente de expectativa, ansiedade, entusiamos e sucessivas surpresas.

Uma crença silenciosa em anjos é o quinto policial escrito por R.J. Ellory. É escrito na primeira pessoa e o texto vai sendo polvilhado de magníficas frases e pensamentos. Se retirássemos citações avulso ninguém diria que as frases são de um livro policial.

Entre as frases que gritam para ser sublinhadas e as descrições de Vallelly (cenário da trama), entre um policial exuberante e um assassino em série, respira-se muito talento literário.  

952274b4d419b732b3d5181fca2d0f15 - O silêncio dos anjos

As frases arrastam-se de uma forma lânguida e por isso o livro torna-se extenso e a narrativa lenta obrigando-nos a demorarmo-nos na magia das palavras, uma dança em que aos capítulos mais narrativos, seguem-se verdadeiras reflexões filosóficas.

A Quiet Belief in Angels A Novel R J Ellory slika O 51868849 - O silêncio dos anjos

De forma subtil e mascarada por um ambiente de thriller, as grandes questões filosóficas vão sendo levantadas em ritornello permanente.

As vítimas, crianças, vão desfilando, os crimes hediondos vão sendo descritos um após o outro, mas, no fundo, tacitamente e de forma indireta, quem vai sendo apresentado é o assassino em série e as suas motivações. Nas perguntas dos investigadores estão as pinceladas que fazem o retrato do assassino. Como é possível que a humanidade produza este tipo de ser?

A maldade é apenas o conjunto dos atos maus? Ou os atos maus são filhos da maldade ou mesmo, como diz Kafka, filhos do Mal?

Outro tema interessante com que nos identificamos: a polícia, no fundo, apenas faz face a um tipo de delinquência e é, na maior parte das vezes, em toda a parte do mundo, incapaz de “resolver” as grandes questões. Quando um crime levanta questões sociológicas e/ou antropológicas a abordagem policial mostra-se incapaz e é por isso que nas séries televisivas e neste tipo de narrativas é sempre um “herói”  isolado, muitas vezes contra tudo e contra todos, que acaba por “resolver” o mistério ou denunciar o assassino – estão sempre presentes na nossa mente as limitações intelectuais, devido aos seus métodos convencionais, do Inspetor Lestrade face à criatividade de Sherlock Holmes. Os polícias em si não são particularmente maus ou incapazes, é toda a estrutura social de poder que é incapaz de dar resposta aos grandes problemas da humanidade.

A tradução francesa “Seul le silence” é um hino à arte da tradução.

seullesilence - O silêncio dos anjos
Comentários
Frank Wan

Frank Wan

Frank Wan é escritor, professor, pesquisador, tradutor, co-editor do Recorte Lírico, editor da Scripsi e outras. Vive, de momento, em Portugal. E-mail: ira.wan@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *