Os romances de vozes de Svetlana Alexievich

Os romances de vozes de Svetlana Alexievich

Svetlana Alexievich é uma jornalista e escritora russa, e tive o prazer de estudar a obra dela no meu Trabalho de Conclusão de Curso da faculdade de Letras. Depois disso, confesso, foi difícil esquecer essa mulher. No trabalho, o tema que nós escolhemos foi “A desconstrução do estereótipo feminino em A guerra não tem rosto de mulher, de Svetlana Alexievich”, ou seja, nós estudamos a obra mais conhecida de Svetlana e a que lhe rendeu o Prêmio Nobel da Literatura em 2015. A ideia surgiu quando, durante o meu estágio, descobri que a autora era vencedora do Nobel e, desde o início da faculdade, eu queria escrever sobre alguma autora de um país que não fosse o Brasil, Estados Unidos ou Inglaterra. Com isso, conseguimos escapar do comum e ainda analisar uma obra não tão estudada.

05194 gg - Os romances de vozes de Svetlana Alexievich
Nasceu na Ucrânia, em 1948. Jornalista e escritora, refinou ao longo de sua obra uma escrita única, desenvolvida a partir de observação da realidade e ostentando as melhores qualidades narrativas da tradição da literatura em língua russa. Em 2015, recebeu o prêmio Nobel de literatura.
Fonte: Site da editora Companhia das Letras.

Enfim, durante a escrita, fomos descobrindo mais e mais sobre a autora. Inclusive, li outras obras dela, como “Vozes de Tchernóbil” e “As Últimas Testemunhas”, mas qual é o diferencial de Svetlana na hora de escrever? A diferença dos livros dela, é que sempre reúnem relatos de pessoas reais que vivenciaram momentos históricos muito impactantes, como a Segunda Guerra Mundial e o desastre de Tchernóbil. Ela seleciona vozes dessas pessoas que ainda estão vivas e as transcreve, por isso, surgiu a dúvida: Essas obras se encaixam em qual gênero, já que é uma reunião de entrevistas? Será que é um livro histórico? Entretanto, basta ler Svetlana para perceber que os livros dela são muito mais do que isso. Há uma organização, um estilo e o fator principal: os sentimentos e as histórias reais de sobreviventes. Por conta disso, as obras dela, hoje, são consideradas “romances de vozes”, um gênero totalmente exclusivo.

Caso você não conheça os romances de vozes da autora, agora irá conhecer! Seguem abaixo as obras e as sinopses:

14086 gg - Os romances de vozes de Svetlana Alexievich
A GUERRA NÃO TEM ROSTO DE MULHER

Uma história ainda pouco conhecida, contada pelas próprias personagens: as incríveis aventuras das soldadas soviéticas que lutaram durante a Segunda Guerra Mundial.

A história das guerras costuma ser contada sob o ponto de vista masculino: soldados e generais, algozes e libertadores. Trata-se, porém, de um equívoco e de uma injustiça. Se em muitos conflitos as mulheres ficaram na retaguarda, em outros estiveram na linha de frente.

É esse capítulo de bravura feminina que Svetlana Aleksiévitch reconstrói neste livro absolutamente apaixonante e forte. Quase um milhão de mulheres lutaram no Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial, mas a sua história nunca foi contada. Svetlana Aleksiévitch deixa que as vozes dessas mulheres ressoem de forma angustiante e arrebatadora, em memórias que evocam frio, fome, violência sexual e a sombra onipresente da morte.

14085 gg - Os romances de vozes de Svetlana Alexievich
VOZES DE TCHERNÓBIL

Para marcar os trinta anos do desastre de Tchernóbil, chega ao Brasil o relato mais impressionante do pior acidente nuclear da história.

Em 26 de abril de 1986, uma explosão seguida de incêndio na usina nuclear de Tchernóbil, na Ucrânia – então parte da finada União Soviética -, provocou uma catástrofe sem precedentes em toda a era nuclear: uma quantidade imensa de partículas radioativas foi lançada na atmosfera da URSS e em boa parte da Europa. Em poucos dias, a cidade de Prípiat, fundada em 1970, teve que ser evacuada. Pessoas, animais e plantas, expostos à radiação liberada pelo vazamento da usina, padeceram imediatamente ou nas semanas seguintes.

Tão grave quanto o acontecimento foi a postura dos governantes e gestores soviéticos (que nem desconfiavam estar às vésperas da queda do regime, ocorrida poucos anos depois). Esquivavam-se da verdade e expunham trabalhadores, cientistas e soldados à morte durante os serviços de reparo na usina. Pessoas comuns, que mantinham a fé no grande império comunista, recebiam poucas informações, numa luta inglória, em que pás eram usadas para combater o átomo. A morte chegava em poucos dias. Com sorte, podia-se ser sepultado como um patriota em jazigos lacrados.

É por meio das múltiplas vozes – de viúvas, trabalhadores afetados, cientistas ainda debilitados pela experiência, soldados, gente do povo – que Svetlana Aleksiévitch constrói esse livro arrebatador, a um só tempo, relato e testemunho de uma tragédia quase indizível. Cenas terríveis, acontecimentos dramáticos, episódios patéticos, tudo na história de Tchernóbil aparece com a força das melhores reportagens jornalísticas e a potência dos maiores romances literários. Eis uma obra-prima do nosso tempo.

14084 gg - Os romances de vozes de Svetlana Alexievich
O FIM DO HOMEM SOVIÉTICO

A ganhadora do prêmio Nobel de 2015 examina o fim da União Soviética.

O povo russo assistiu com espanto à queda do Império Soviético. A política de abertura do governo Gorbatchóv impôs uma mudança drástica da estrutura social, do cotidiano e, sobretudo, da direção ideológica da população.

Em O fim do homem soviético, Svetlana Aleksiévitch examina a vida das pessoas afetadas por essa transformação. Em cada personagem está um pouco da história russa – a mãe cuja filha morreu em um atentado; a antiga funcionária do Partido Comunista que coleciona carteiras abandonadas de ex-filiados; o velho militante que passou dez anos em um campo de trabalhos forçados.

O livro traz um painel fantástico de russos de todas as idades que se movem entre a possibilidade de uma vida diferente e a derrocada da sociedade que conhecem.

14088 gg - Os romances de vozes de Svetlana Alexievich
AS ÚLTIMAS TESTEMUNHAS

Neste livro doloroso e potente, a Nobel de literatura Svetlana Aleksiévitch reuniu os relatos francos de vários sobreviventes da Segunda Guerra que, quando crianças, testemunharam horrores que nenhum ser humano jamais deveria experimentar.

A Segunda Guerra Mundial matou quase 13 milhões de crianças e, em 1945, apenas na Bielorrússia, havia cerca de 27 mil delas em orfanatos, resultado da devastação tremenda causada pelo conflito no país. Entre 1978 e 2004, a jornalista Svetlana Aleksiévitch entrevistou uma centena desses sobreviventes e, a partir de seus testemunhos, criou uma narrativa estupenda e brutal de uma das maiores tragédias da história. A leitura dessas memórias não é nada além de devastadora. Diante da experiência dessas crianças se revela uma dimensão pavorosa do que é viver num tempo de terror constante, cercado de morte, fome, desamparo, frio e todo tipo de sofrimento. E o que resta da infância em uma realidade em que nada é poupado aos pequenos? Neste retrato pessoal e inédito sobre essas jovens testemunhas, a autora realizou uma obra-prima literária a partir das próprias vozes de seus protagonistas, que emprestaram suas palavras para construir uma história oral da Segunda Guerra.

14560 gg - Os romances de vozes de Svetlana Alexievich
MENINOS DE ZINCO

A brutalidade da guerra soviético-afegã é retratada neste livro extraordinário, com o olhar sempre preciso e humano de Svetlana Aleksiévitch.

Entre 1979 e 1989, as tropas soviéticas se envolveram em uma guerra devastadora no Afeganistão, que causou milhares de baixas em ambos os lados. Enquanto a URSS falava de uma missão de “manutenção da paz”, levas e levas de mortos eram enviadas de volta para casa em caixões de zinco lacrados. Este livro apresenta os testemunhos honestos de soldados, médicos, enfermeiras, mães, esposas e irmãos que descrevem os efeitos duradouros da guerra.

Ao tecer suas histórias, Svetlana Aleksiévitch nos mostra a verdade sobre o conflito soviético-afegão: a destruição e a beleza de pequenos momentos cotidianos, a vergonha dos veteranos que retornaram, as preocupações com todos que ficaram para trás. Publicado pela primeira vez em 1991, Meninos de zinco provocou enorme controvérsia por seu olhar perspicaz e angustiante sobre as realidades da guerra.

“A proeza de Aleksiévitch elevou a história oral a uma dimensão totalmente diversa.” – Antony Beevor

Fonte das sinopses: https://www.companhiadasletras.com.br/

E aí, por qual você vai começar?

Sara Muniz

Sara Muniz

Sara Muniz, 22 anos, formada em Letras Português-Inglês, criadora e idealizadora do blog Interesses Sutis desde 2014, professora de inglês em tempo integral, escritora, revisora e redatora nas horas vagas. Trabalha para comer, viajar e comprar livros. E-mail: saramunizz@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *