A bruxaria na tevê brasileira: D.P.A. e S.O.S. Fada Manu

A bruxaria na tevê brasileira: D.P.A. e S.O.S. Fada Manu

1. Na 1ª temporada de D.P.A., a magia era discreta: só Leocádia, proprietária e síndica do prédio, tinha poderes. Os detetives Tom, Capim e Mila descobriram que ela era uma bruxa. Na 2ª temporada, Mila descobre que ela e a mãe, Anete, são bruxas do bem. Outros feiticeiros aparecem.

2. O prédio azul é um portal dimensional disputado por vários bruxos. Leocádia, Theobaldo e Mila, a aprendiz de bruxa, tentam protegê-lo. O apartamento em que está a passagem é habitado pela família do detetive Bento (reparem o nome). O lugar não tinha sido alugado anteriormente.

3. O bordão do detetive Bento, morador do apartamento que abriga a passagem dimensional, é “Isso não é nada científico” diante da realidade da magia. Ela só parece contrariá-lo. Bento aceita os poderes de Mila. É o guardião perfeito do portal: ele vê tudo com desassombro e método.

4. D.P.A. faz dobradinha com S.O.S. Fada Manu. Novamente, a magia entra em cena. O desenho animado trata de uma menina comum treinada por sua avó para se tornar uma fada madrinha em um reino encantado. Lá estão diversos personagens: patinho feio com um saco de papel na cabeça, etc…

(A difícil negociação de D.P.A. é a personagem Mila. A diferença da primeira e da segunda temporada é a adesão ao imaginário mágico anteriormente rejeitado pelo grupo. Com a informação de que a detetive do jaleco vermelho é uma bruxa aprendiz parece uma traição silenciosa.

O trio original – Mila, Capim e Tom – transmitiu a impressão de combate à bruxaria. Em um julgamento menos severo, não pareciam seduzidos pelas artimanhas de Leocádia que não era uma mágica circense. Mila pareceu a corrupção do objetivo do grupo: a ordenação da realidade).

5. O treinamento de fadinha Manu consiste em auxiliar qualquer um com problemas. Como é uma aprendiz, recebe conselhos de sua avó hiponga quase aposentada. Ela tem uma antagonista: a bruxinha Valquíria com seu cachorrinho Sofrimento: dono de uma aparência e cheiro terrível.

6. A bruxinha Valquíria, de S.O.S. Fada Manu, e Marga, de D.P.A., têm o mesmo objetivo: a conquista do reino. A bruxinha quer tornar todos do reino encantado seus escravos. Em um dos episódios quase conseguiu. Nele, Sofrimento se tornou rei (sacou?). Marga quer Ondion a todo custo.

7. As duas antagonistas – Valquíria e Marga – não são construídas com maniqueísmo. Em um episódio de S.O.S., Valquíria teve um problema com sua espinha desbocada, chamou Manu para ajudá-la e reconheceu nela a contragosto suas qualidades. Marga parece ter pertencido a terra que quer conquistar.

8. A teledramaturgia é outro campo para observação da bruxaria. O seriado D.P.A. e o desenho infantil S.O.S. Fada Manu são dois produtos em que a riqueza da construção narrativa passa despercebida.

Mariel Reis

Mariel Reis

Mariel Reis é contista, poeta e ensaísta. Trabalha com Leitura Crítica de originais em prosa ou poesia. E-mail: marielreis.rj@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *