O Marinheiro Tocado Pelo Vento

O Marinheiro Tocado Pelo Vento

Por acaso o vento que me sopra do norte é o mesmo vento que me sopra do sul?, demonstrando que, ao contrário do que se mostraram minhas expectativas, não são todos os ventos distintos e sim todos os ventos apenas um?

São as marés oceânicas que movem um navio das Américas à África as mesmas que movem as embarcações chinesas aos arquipélagos da Oceania? São os ventos o assobio de um deus entediado e o Oceano Atlântico um mero punhado de água numa bacia?

A maré tocou-me os pés ao tempo em que os pelos dos meus braços eriçavam-se devido ao frio de um vento gélido que não vinha do norte e tão pouco do sul, e sim do leste, enquanto o Sol punha-se imponente à minha frente.

Ora, se o vento é um simples assobio e as ma-rés uma poça d’água, é o Sol quem sopra e toca o mar no horizonte.

“É o Sol quem me sopra e toca o mar no horizonte.”

“Quem me sopra e toca o mar no horizonte é o Sol.”

“Quem toca o mar no horizonte e me sopra? O Sol.”

Agora que percebo isso, não ouso navegar no-vamente nessa bacia… o Sol pode decidir afundar meu barquinho de papel.

 

Para ler outros textos como esse do Farrel , clique aqui.
Comentários
Farrel Kautely

Farrel Kautely

Farrel Kautely, 1994, é de Belo Horizonte. Escritor e professor, atualmente reside em Mariana - MG, onde cursa Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto. Possui várias obras publicadas, dentre elas "Minúscula Pulga" (romance), "Picas da Galáxia" e "Sushipeia" (crônicas) e "O mínimo que você precisa fazer para ser um completo idiota" (ensaios e pequenos artigos). E-mail: kauty.s@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.