Postal 3, O Romance das Origens e Origens do Romance

Postal 3, O Romance das Origens e Origens do Romance

Marthe Robert é uma das primeiras grandes responsáveis pela receção de Kafka em França: são dela as primeiras traduções de grande qualidade e é autora de diversos livros sobre Kafka de grande referência. A leitura que faz da obra kafkaniana obedece aos princípios gerais sobre o Romance que estão plasmados na sua obra O Romance das Origens e Origens do Romance (Roman des origines, origine du roman).

811DZ9BQ3VL 674x1024 - Postal 3, O Romance das Origens e Origens do Romance

Os seus ensaios sobre o Romance, como era normal na época, utilizam muito do vocabulário da psicanálise.A sua tese é simples: o romance é o género literário onde se plasma de forma clara aquilo a que Freud chamava o “romance familiar dos neuróticos”. O romance familiar dos neuróticos, para Marthe Robert é a resolução fantasmática da criança do problema da ansiedade perante a descoberta da sua individuação e concomitante tensão edipiana. Há, assim, duas resoluções: uma é a fantasia de achar que nasceu numa família real, uma família predestinada e, portanto, ele, o infante, é um messias, um príncipe; a outra é a do “bastardo”, ele não pode ser filho daquele pai, relega-o para um mundo de fantasia, aprisionando-o, tirando-lhe poder colocando-o numa masmorra quimérica. 

03ade2c015a29028fb404f1a6225a76d - Postal 3, O Romance das Origens e Origens do Romance

Todo o romance é sempre uma variação destas duas resoluções.

A narrativa do romance familiar detém-se sempre à porta do quarto dos pais, perante a cama onde foi fantasmaticamente gerado e onde há uma linha divisória imaginária: de um lado, os velhos, os malvados e poderosos e do outro, os oprimidos, fracos e jovens.

Os dois modelos encarnam no Dom Quixote e no Robinson Crusoe.

Dom Quixote é o príncipe, perante  a angústia do mundo e da vida mergulha no mundo da fantasia, ele é um predestinado, um salvador, procura famílias de adoção fictícias na leitura dos Romances de Cavalaria e é ridicularizado pela “realidade” que Cervantes, paternalmente, lhe impõe corrigindo-o. Como qualquer menino mimado, acha que tudo lhe é devido e essa dívida resulta do seu desinteresse pelos bens materiais.

Cervantes é o pai, Don Quixote é o filho.

- Postal 3, O Romance das Origens e Origens do Romance
70307354 10206897160025449 7717308605954785280 n - Postal 3, O Romance das Origens e Origens do Romance

Robinson Crusoe toma outra opção: matar o pai! Rompe com a família e acaba numa ilha que representa o paraíso pré-edipiano e que ele vai ter que descobrir e dominar sozinho. Esse processo completa-se aos 26 anos com o aparecimento de Sexta-feira que toma o lugar do filho: resolução fantomática do complexo edipiano.

03365 4 - Postal 3, O Romance das Origens e Origens do Romance

Estes romances nascem no contexto da burguesia, mas vão evoluir para o contexto napoleónico e da Revolução: o pai do povo, matou o rei (o pai) e inicia uma nova família de reis ao casar-se com uma herdeira do império, tornando assim possível o grande sonho dos bastardos: a ascensão social através das mulheres.

Balzac é um príncipe, quer ter um estatuto igual aos poderosos porque escreve a Comédia Humana quando ele próprio está nos antípodas dos seus personagens.

balzac 360x450 - Postal 3, O Romance das Origens e Origens do Romance

Flaubert é o todo poderoso, nega tudo: nega o romance como mero jogo narrativo, quer um romance formal e puro, nega o sexo, por isso o fiacre é todo negro e não se vê nada, nega mesmo o género sexual, quer restabelecer o paraíso hermafrodita, ele é homem, mas ele também é a Emma!

brooks 1 030917 627x1024 - Postal 3, O Romance das Origens e Origens do Romance
Gustave Flaubert, circa 1860; carte-de-visite portrait by Étienne Carjat

Para Marthe Robert, na senda de Proust e Joyce, só sobreviveu o formalismo e uns principezinhos como eu que vivem exclusivamente da vertigem narcísica da sua escrita.

5187sSIgcVL. SX306 BO1204203200  - Postal 3, O Romance das Origens e Origens do Romance
Comentários
Frank Wan

Frank Wan

Frank Wan é escritor, professor, pesquisador, tradutor, co-editor do Recorte Lírico, editor da Scripsi e outras. Vive, de momento, em Portugal. E-mail: ira.wan@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.