8 livros para quem quer escrever roteiros

Sara Muniz

Updated on:

turned on MacBook Pro near brown ceramic mug

Há aproximadamente um mês conclui um curso de extensão na faculdade de “Como escrever um roteiro de cinema”, foi uma experiência de três sábados bastante interessante, ainda mais para mim. Ao final do curso, o professor nos indicou oito livros que podem ajudar muito quem pretende escrever ou conhecer mais sobre roteiros de filmes e séries.

1. A Arte do Cinema, de David Bordwell e Kristin Thompson

A arte do cinema marcou de modo duradouro os estudos de cinema. Suas contínuas reedições e traduções fizeram essa influência perdurar. A obra impressiona pela extensão da formação cinéfila de seus autores, sustentando a exposição a partir de ampla diversidade de exemplos ilustrados. O caráter inovador do livro está em basear seus desenvolvimentos na utilização sistemática de fotogramas, parte inerente da narrativa fílmica, e não mais de fotos de cena (stills). David Bordwell e Kristin Thompson concentram-se na importância fundamental do plano para a análise cinematográfica. Circunscrevem sua dimensão nos aspectos da mise-en-scène (definida no horizonte da encenação e da direção de atores) e da cinematografia (definida a partir dos elementos que compõem a fotografia, como a luz, o enquadramento, a profundidade de campo, o movimento de câmera, a duração do plano). Em seguida é aberto capítulo para tratar da montagem, encerrando o núcleo básico do livro que dá conta da especificidade da forma narrativa com imagens em movimento. Resta, evidentemente, o som (música, falas, ruídos), abordado então em detalhe. Trata-se de obra que consegue nos falar da arte do cinema como todo orgânico, exposta através de uma espécie de propedêutica do olhar. (Fernão Pessoa Ramos).


8 livros para quem quer escrever roteiros 1

2. The Filmmaker’s Eye, de Gustavo Mercado

Este livro apresenta os aspectos técnicos, estéticos, narrativos e logísticos da pré-produção, produção e pós-produção de cinema e vídeo e tem como objetivo ampliar os horizontes visuais de um cineasta, seja ele iniciante ou um profissional experiente. Gustavo Mercado revela o funcionamento interno dos planos básicos que criam a experiência cinemática, e revela como os visuais se comunicam com o público. O autor fornece uma exploração profunda das regras da composição cinemática da maneira como elas se aplicam a cada um dos planos do vocabulário cinematográfico, examinando, por exemplo, a função narrativa de cada plano nos filmes Amor sem Escalas e o Poderoso Chefão. Com este livro, os leitores irão desenvolver facilmente uma noção mais clara do que é necessário para criar imagens visualmente atraentes e narrativamente significativas nas telas do cinema.

3. Sobre a Escrita, de Stephen King

8 livros para quem quer escrever roteiros 2

Com uma visão prática e interessante da profissão de escritor, incluindo as ferramentas básicas que todo aspirante a autor deve possuir, Stephen King baseia seus conselhos em memórias vívidas da infância e nas experiências do início da carreira: os livros e filmes que o influenciaram na juventude; seu processo criativo de transformar uma nova ideia em um novo livro; os acontecimentos que inspiraram seu primeiro sucesso: Carrie, a estranha. Pela primeira vez, eis uma autobiografia íntima, um retrato da vida familiar de King. E, junto a tudo isso, o autor oferece uma aula incrível sobre o ato de escrever, citando exemplos de suas próprias obras e de best-sellers da literatura para guiar seus aprendizes. Usando exemplos que vão de H. P. Lovecraft a Ernest Hemingway, de John Grisham a J. R. R. Tolkien, um dos maiores autores de todos os tempos ensina como aplicar suas ferramentas criativas para construir personagens e desenvolver tramas, bem como as melhores maneiras de entrar em contato com profissionais do mercado editorial. O livro também não deixa de lado as memórias e experiências do mestre do terror: desde a infância até o batalhado início da carreira literária, o alcoolismo, o acidente quase fatal em 1999 e como a vontade de escrever e de viver ajudou em sua recuperação. Ao mesmo tempo um álbum de memórias e uma aula apaixonante, Sobre a escrita irradia energia e emoção no assunto predileto de King: literatura. A leitura perfeita para fãs, escritores e qualquer um que goste de uma história bem-contada. Eleito pela Time Magazine um dos 100 melhores livros de não ficção de todos os tempos e vencedor dos prêmios Bram Stoker e Locus na categoria Melhor não ficção, “Sobre a Escrita” é uma obra extraordinária de um dos autores mais bem-sucedidos de todos os tempos, uma verdadeira aula sobre a arte das letras.

4. Homens Difíceis – Os Bastidores do Processo Criativo de Breaking Bad, Família Soprano, Mad Men e Outras Séries Revolucionárias, de Brett Martin

Séries como Breaking Bad, Família Soprano, Mad Men, Dexter, The Wire e Game of Thrones mostraram ao público e ao mercado uma nova fórmula para conquistar audiência – histórias mais complexas, com personagens multifacetados e politicamente incorretos aliadas a uma produção digna de cinema.

‘Homens difíceis’ não se limita às tramas dos seriados. Mais do que isso, conduz o leitor pelos caminhos da produção, acompanhando as importantes decisões, propostas, jogadas de sorte e coincidências que levaram à gênese e ao desenrolar dos programas que marcaram as últimas duas décadas.

Entrevistando produtores, showrunners e personalidades, Brett Martin mostra que por trás de séries extremamente bem-sucedidas estão pessoas por vezes geniais, deploráveis, inspiradoras e megalomaníacas. Mais do que apenas relatos sobre bastidores, a obra busca ser um retrato de uma época que será lembrada como um divisor de águas na história do entretenimento mundial.

5. Como Escrever Séries – Roteiro a partir dos maiores sucessos da TV, de Sonia Rodrigues

As séries de TV dramáticas alcançaram na última década um novo patamar de prestígio e uma importância até então inédita na trajetória da televisão. Com o nível de qualidade de roteiro e de produção altíssimo, os seriados de TV são hoje, em termos de narrativa, o que o romance foi para o século 19 e o cinema, para o século 20. A partir de exemplos de mais de 60 séries de sucesso, entre elas Breaking Bad, Família Soprano, Homeland, House of Cards e Scandal, Sonia Rodrigues explora os alicerces do que é um bom roteiro, demonstrando através de engenharia reversa os detalhes de sua construção. Com uma linguagem clara e extensa pesquisa, Como Escrever Séries fornece aos leitores ferramentas para entender os elementos estruturais da escrita de roteiros e ensina sobre as especificidades do formato. É um livro tanto para profissionais da área quanto para fãs de séries em geral, que, além de poder conhecer mais sobre como seus programas favoritos são feitos, poderão identificar os paralelos traçados entre todos eles, enriquecendo sua experiência de telespectador.

6. Directing Actors, de Judith Weston

This is essential reading for anyone interested in directing or acting. Judith Weston’s brilliance is to recognize that directors, actors, writers, and technicians are involved in a process that is at essence a collaboration. In order for them to have the best shot at creating something true and meaningful, they must share a language and a method of exchange that fosters creative cooperation. Weston rightly sees the director as the central figure in inspiring the energy of a production’s harmony. She advises the prospective director on every aspect of a stage or film production, showing how the director can draw the best performances possible from actors.

7. O Herói de Mil Faces, de Joseph Campbell

8 livros para quem quer escrever roteiros 3

Embora apresentem amplas variações em termos de incidentes, de ambientes e de costumes, os mitos de todas as civilizações oferecem um número limitado de respostas aos mistérios da vida. Em O Herói de Mil Faces, Joseph Campbell apresenta o “herói compósito”: Apolo, Wotan, Buda e numerosos outros protagonistas da religiões, dos contos de fada e do folclore, que representam simultaneamente as várias faces de uma mesma história.

O relacionamento entre seus símbolos intemporais e os símbolos detectados nos sonhos pela moderna psicologia profunda é o ponto de partida da interpretação oferecida por Campbell. O ponto de vista psicológico é, então, comparado com as palavras proferidas por grandes líderes espirituais, como Moisés, Jesus, Maomé, Lao-Tzu e os Anciãos das tribos australianas. Oculto por trás de um milhar de faces, emerge o herói por excelência, arquétipo de todos os mitos.

O autor afirma, na introdução deste volume, que existem diferenças entre as diversas mitologias e religiões da humanidade, mas este é um livro a respeito das semelhanças. Uma vez compreendidas as diferenças, descobriremos que são bem menores do que popularmente (e politicamente) se supõe. A esperança do autor é que essa comparação possa contribuir para a causa das forças que atualmente trabalham pela unificação, não em nome de algum império político ou eclesiástico, mas no sentido de um entendimento mútuo entre os homens.

8. A Jornada do Herói, de Joseph Campbell

Obra das mais queridas dos fãs de Joseph Campbell no mundo todo, ela traz entrevistas dos últimos anos de sua vida e trechos de suas palestras. O texto caminha explicando simultaneamente o processo da jornada e a vida de Campbell. Generosamente ilustrado, com fotos e reproduções de arte, este livro comemora o centenário de Campbell.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.