Recorte Lírico

Tirando a literatura dos corredores acadêmicos

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 2 outros assinantes

Cor

24 de maio de 2018

Categorias:Conto Tags:

Cor

Entrou em pauta quais termos seriam usados para cor-barra-etnia no formulário do Exame Vestibulante Nacional. Imediatamente Tição falou:

– O que sugiro é colocarmos branco, negro, pardo e indígena. Qual a próxima pauta?

– Um instante, por que tanta pressa? – indagou Junina, no que Gugu rapidamente concordou:

– É. Pra começar, negro está errado…

– E pardo é cor de papel – emendou Cheiraflor.

Tição: Calma. Como assim negro está errado?

Gugu: Por que tudo de ruim é negro? Magia negra, buraco negro, humor negro, quadro negro, diamante negro, cu…

Tição: O que você sugere então? Afrodescendente?

Cheiraflor: O problema é que nem todo afrodescendente é negro.

Tição: Parece que nem os negros são negros.

Junina: Não fala besteira, Tição.

Tição: Mas quem falou não fui eu, foi o esquisito ali. Além disso estamos discutindo o quê? Cor de pele ou etnia?

Gugu: O certo é preto.

Cheiraflor: Porque negro é ruim?

Gugu: É.

Tição: Isso não faz o menor sentido. Na verdade me soa uma falácia. Peixe boi não é nem boi e, assim como o caranguejo, nem peixe.

Junina: Caranguejo não é peixe?

Gugu: Não. [Junina: Quem diria!] E quem é você para falar quem é o que? Você nem é negro.

Tição: Como não?

Gugu: Você é preto.

Tição: Preto é a tela do meu celular quando está ocioso ou desligado.

Gugu: Olhe para você, seu imbecil. Você é preto.

Junina: Já que vamos mudar as coisas, sugiro que mudemos as posições no formulário para negro, branco, pardo e indígena.

Gugu: Preto.

Cheiraflor: Pardo é cor de papel.

Tição: Mas por que mudar a ordem?

Cheiraflor: Por que branco sempre tem de vir primeiro?

Gugu: É. No xadrez as brancas sempre vêm antes. Nas histórias, o mago branco é o mago bom e o mago negro é o mago das trevas. Sempre o branco vem primeiro, sempre o preto vem depois.

Cheiraflor: Na bíblia as trevas vem primeiro.

Tição: E quem disse que bíblia é confiável em relação aos fatos?

Gugu: Nisso o ne… digo, o preto racista ali tem razão.

Junina: Parem de falar merda, vocês dois. Respondendo à sua pergunta, sugiro que mudemos para deixar a coisa toda arbitrária.

Tição: Mas se você escolher o que vem primeiro, estará escolhendo. Então não é arbitrário.

Cheiraflor: Então devemos sortear. Ou isso, ou criamos um critério.

Tição: Isso é ridículo de tão desnecessário.

Gugu: Na verdade eu adoraria que refletíssemos a história nessa ordem. Colocaríamos indígenas primeiro, já que estavam aqui antes.

Tição: he he he! Sabe o que isso significa, certo?

Gugu: O quê?

Tição: Os brancos vieram primeiro.

[Gugu incha de irritação]

Cheiraflor: Além disso, indígena é um termo ruim. Vem de índio, que quer dizer indigente. Sugiro nativos americanos.

Tição: Sabe que todos somos nativos americanos por termos nascido na América, não sabe?

Cheiraflor: Foda-se!

Gugu: Vamos sortear.

Junina: Ou podemos dizer que sorteamos e deixar negro vim primeiro.

Tição: Mas que porra de discussão é essa? Não vejo motivo algum para mudar a ordem. Nem para usarmos preto no lugar de negro. Chamo tudo isso de ladainha. Se pararmos para avaliar e atribuir uma denominação literal, eu teria de ver marrom escuro escrito no formulário para me sentir representado.

Gugu: Do jeito que está não pode ficar.

Cheiraflor: Definitivamente não.

Junina: Se você não sugerir nada melhor e que seja unânime, as mudanças propostas provavelmente serão implementadas, já que somos três querendo mudar e só você querendo ser o conservador de merda aqui.

Tição faz um facepalm antes de dar uma sugestão sarcástica que agradou a todos e que não conseguiu reverter.

Três meses depois, os vestibulandos tiveram de escolher entre as seguintes alternativas no momento de preencher a seção “cor” no cabeçalho da prova:

( ) cor de papel pardo
( ) cor da escuridão da noite
( ) cor de burro fugido
( ) preto
( ) marrom claro
( ) marrom escuro
( ) cor de lápis cor de pele
( ) cor de folha A4 branca
( ) cor de café com leite com mais leite que café
( ) cor de café com leite com mais café que leite
( ) cor de café com leite com 50% café e 50% leite
( ) cor de leite misturado com nescau
( ) cor de leite misturado com toddy
( ) cor dos simpsons
( ) cor de nuvem de dia claro
( ) cor de nuvem de dia escuro
( ) cor de quem era negro e ficou branco
( ) cor de quem é branco e pegou muito sol
( ) descendente de povos nativos da América pré colonização, independente da cor.

 

 

Leia outro textos do Farrel Kautely clicando aqui.