[2020] “O poço”, o coronavírus e o individualismo social

[2020] “O poço”, o coronavírus e o individualismo social

A Netflix lançou ontem, 20/03, com uma pertinência ímpar, o filme “O poço” (The Hoyo, em espanhol), do diretor Galder Gaztelu-Urrutia. Em seu longa de entrada, Galder faz uma crítica aberta, direta e contundente. Aclamado nos principais festivais de cinema mundiais, o filme não poderia ser mais congruente com o atual cenário do mundo do que agora. E começo a explicar tal relevância abaixo, a começar pelo enredo do filme:

3762755 - [2020] "O poço", o coronavírus e o individualismo social

Goreng, interpretado pelo espanhol Iván Massagué, desperta em um ambiente de concreto, similar à prisão, após voluntariar-se em troca de um hipotético certificado homologado (símbolo de liberdade). Dois buracos retangulares, uma na parte de cima e outro embaixo, e vários “andares” inferiores e superiores. No buraco, uma passagem de comida, que se inicia no nível 1 até um indeterminado (mais de 200…), atendendo as “três classes de pessoas: as de cima, as de baixo e as que caem”, como introduz ao Goreng o senhor Trimagasi (Zorion Eguileor). Duas pessoas por nível, sendo o deles o 48, definido pelo remanescente como um bom nível, visto que comerão as sobras de “apenas” 47 níveis.

ALÉM DE “O POÇO”, LEIA TAMBÉM SOBRE:

O “novo morador” demora a entender a dinâmica do poço e, além de nega-se a se alimentar, se esforça, sem sucesso, em mudar a dinâmica da passagem de comida nos andares, sendo desestimulado pelo companheiro, pois não deveriam falar com os moradores de baixo, pois são inferiores, e não conseguiria contato com os de cima, pelo óbvio, claro.

download - [2020] "O poço", o coronavírus e o individualismo social

Dito tudo isso, afirmo que o filme é uma distopia muito bem feita, com metáforas que são bem claras, embora profundas. Já no primeiro diálogo, há crítica, sem dúvidas, pois ao argumentar que o consumo correto nos andares superiores fortalece a partilha e evita que os moradores baixos morram de fome, logo é acusado de ser comunista. Não lhe parece um discurso atual de rede (anti)social? A qualquer sinalização de partilha, estas condenado por um movimento que, às vezes, nem se conhece. Somente um dos grandes problemas da polarização política no Brasil e no mundo.

O filme é repleto de pequenas metáforas, como dito acima, que compõem a maior, o próprio poço, que é, sem dúvidas, a maior personagem do longa. Tais alegorias vão se diluindo no decorrer do enredo, como por exemplo o suicídio, homicídio, canibalismo e a loucura.

Não é nenhuma coincidência alguns dos principais temas do filme, como o individualismo, estar nas principais manchetes do país, com o problema global do momento, o coronavírus:

No mundo real e na distopia temos cenários de escassez, provocando o que há de pior no ser humano quando se está submetido a situações extremas de pressão, alto risco e fome. O que estamos vivendo com o coronavírus é raro e pode (e deve) nos ensinar, educar. Humanizar-nos, antes que tudo.

A alegoria do poço e o seu mecanismo de distribuição de alimentos é válida, sobretudo pois antes de qualquer nível habitável, havia um banquete, ou seja, o universo tem fontes riquíssimas para todos e nos proporciona compartilhar, embora muitas das vezes só decidimos deixar migalhas e utensílios sujos e quebrados a quem inferimos, diante de nós, como inferiores.


Leia outros textos do editor clicando aqui.

Comentários
Cássio de Miranda

Cássio de Miranda

Editor da Recorte Lírico. Baiano, mas exilado no Sul do país. Escreve sobre livros, filmes e séries. Pai, professor e escritor, não necessariamente nessa ordem. E-mail.: cassiodemiranda91@gmail.com; cassiodemiranda@recortelirico.com.br;

7 comentários sobre “[2020] “O poço”, o coronavírus e o individualismo social

  1. O distanciamento e o aperto de mão não concedido mostra que estava óbvio que iríamos passar por esse momento do novo corona vírus.
    Outro detalhe óbvio ” Gula” eu escolho o que comer depois como de tudo um pouco… Se todos comecem o que pedem ninguém ia morrer de fome

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *